Início » Economia » Seca faz com que bancos utilizem previsão do tempo para conceder crédito
Escassez

Seca faz com que bancos utilizem previsão do tempo para conceder crédito

Segundo as grandes instituições financeiras do país, escassez reduz os lucros das empresas e aumenta a chance de calotes

Seca faz com que bancos utilizem previsão do tempo para conceder crédito
Sistema Cantareira tem cada vez menos água, operando com 8,2% da capacidade (Foto: Reprodução/Internet)

A falta d’água não afeta somente a população. As grandes instituições financeiras do Brasil começam a se preocupar com a escassez e incluíram a água em seus modelos matemáticos de crédito para empresas, onde antes se avaliava somente endividamento, liquidez e geração de caixa.

Leia mais: Solo seco pode retardar a recuperação do Cantareira
Leia mais: ONGs indicam erros na administração do sistema Cantareira, em São Paulo

Anteriormente, as previsões meteorológicas serviam somente para as previsões e avaliações do setor agrícola. Agora, passaram a ser estudadas pelo viés da disponibilidade de água nas grandes cidades do Brasil. O diretor de crédito do banco Indusval & Partners, Cláudio Cusin, explicou a situação.

“Como não tínhamos escassez de água, a seca era tratada antes só como um risco climático que podia afetar o agronegócio. Agora, a preocupação chega na manufatura”.

A situação mais grave se encontra em São Paulo onde o principal sistema de abastecimento, o Cantareira, encontra-se operando com 8,2% da sua capacidade total. Se as chuvas não voltarem a encher as represas, a tendência é que os custos da produção aumentem ou a quantidade caia pela falta de insumos.

Com o possível problema na produção, as empresas teriam dificuldades em pagar os empréstimos. Por isso os bancos usarão a previsão do tempo como dado de estudo antes de autorizar o crédito.

Energia é o principal problema

O Itaú BBA integrou a análise de chuvas ao seu cálculo no fim de 2012, quando as termoelétricas foram acionadas para cobrir a produção de energia das hidrelétricas, que já conviviam com o problema de escassez. Segundo o diretor de crédito do banco, João Carlos de Gênova, o principal problema da falta d’água é o energético.

“Se as chuvas nos próximos seis meses repetirem o padrão observado em qualquer um dos últimos três anos, os reservatórios chegarão ao fim do período chuvoso em níveis ainda mais baixos do que em abril de 2014, o que deve exigir algum tipo de racionamento”.

Segundo especialistas, as empresas que serão mais afetadas pelo problema hídrico são as pequenas e médias, pois as grandes têm o hábito de reutilizar a água, reduzindo o gasto e os custos.

Fontes:
Valor-Escassez de água chega à análise de crédito dos bancos

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *