Início » Economia » Superávit alemão prejudica a economia global
COMÉRCIO INTERNACIONAL

Superávit alemão prejudica a economia global

Alemanha tem o maior superávit do mundo, o que deixa a economia do país e o comércio global perigosamente desequilibrados

Superávit alemão prejudica a economia global
Os EUA de Trump defendem o protecionismo enquanto a Alemanha de Merkel, o livre-comércio (Foto: G20)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

cúpula do G20, que está ocorrendo em Hamburgo, na Alemanha, será palco de um choque de ideias econômicas. De um lado, os Estados Unidos defendem o protecionismo; do outro a Alemanha defende o livre-comércio. Tal embate de ideias ocorre desde a eleição de Donald Trump.

Segundo a revista Economist, não há dúvida sobre quem tem o melhor argumento neste choque de ideias. A crença de Trump de que tarifas nivelam o comércio é ingênua e perigosa, pois pode resultar na redução da prosperidade de todos. Porém, Trump jogou luz sobre uma inconveniente verdade. Ele criticou a Alemanha por seu superávit comercial de US$ 300 bilhões, o maior do mundo.

O superávit ocorre quando a soma das exportações de um país supera a das importações. No caso alemão, quem poupa mais são as empresas e o próprio governo.

O segredo da Alemanha é que o país poupa muito dinheiro e gasta muito pouco. E é por isso que defende o livre-comércio. Há muito a se invejar no modelo econômico alemão. A harmonia entre empresas e trabalhadores é uma das principais razões para o bom andamento econômico. O estado também faz sua parte ao oferecer um sistema educacional altamente admirado.

No entanto, o governo alemão deveria gastar mais, pois o superávit deixou a economia alemã e o comércio global perigosamente desequilibrados. Restringir os gastos significa menos investimento doméstico e menos importações. Segundo a Economist, na Alemanha, o consumo das famílias caiu para 54% do PIB, em comparação com 69% nos EUA e 65% no Reino Unido.

Segundo a Economist, já houve tempo o suficiente para a Alemanha reconhecer que poupar dinheiro demais é uma fraqueza. Merkel tem o direito de defender o livre-comércio. Mas ela e seus compatriotas precisam entender que o superávit da Alemanha já é por si só uma ameaça a legitimidade do livre-comércio.

Fontes:
The Economist-Why Germany’s current-account surplus is bad for the world economy

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *