Início » Economia » Trump chega ao Reino Unido para visita oficial
VISITA DE TRÊS DIAS

Trump chega ao Reino Unido para visita oficial

Presidente americano desembarca no país, em meio à incerteza do Brexit e à iminente saída de Theresa May do posto de primeira-ministra britânica

Trump chega ao Reino Unido para visita oficial
Clima atual é bem diferente de abril, quando a visita foi anunciada (Foto: Twitter/The Royal Family)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, chegou ao Reino Unido nesta segunda-feira, 3, para uma visita de três dias, em meio à incerteza em torno da negociação do Brexit, a saída do país da União Europeia (UE).

Para o primeiro dia da visita, está previsto um almoço com a família real no Palácio de Buckingham e uma visita à abadia de Westminster, onde Trump depositará uma coroa de flores no túmulo do Soldado Desconhecido, uma homenagem aos soldados que morreram na Primeira Guerra Mundial. Em seguida, Trump retornará para o Palácio de Buckingham, onde participará de um banquete de Estado.

Na terça-feira, 4, o presidente americano participará de um evento com empresários britânicos e americanos, ao lado da primeira-ministra, Theresa May. No último dia de sua visita oficial, o presidente americano comparecerá a uma cerimônia na cidade de Portsmouth, em homenagem ao Dia D – data em que, durante a Segunda Guerra Mundial, as forças aliadas invadiram a Normandia, iniciando a queda do domínio nazista na Europa.

A visita de Trump ocorre num contexto muito diferente do planejado quando a viajem foi anunciada, em abril deste ano. Na ocasião, a expectativa era estreitar os laços entre os dois aliados em questões como comércio, investimento, segurança e defesa. A ideia era discutir formas de aproximar os dois países após o Brexit.

Porém, desde abril, a negociação para a separação entre Reino Unido e UE se acirrou. Após inúmeras tentativas fracassadas de May de aprovar no Parlamento o acordo para o Brexit firmado com Bruxelas, a data oficial para o “divórcio” foi adiada de 29 de março para 31 de outubro. A turbulência nas negociações culminou com o anúncio de renúncia de May, prevista para ser concretizada em 7 de junho, apenas dois dias após Trump encerrar sua visita ao país e retornar a Washington.

Além disso, antes mesmo de desembarcar no aeroporto de Stansted, em Londres, Trump se envolveu em polêmica ao criticar o prefeito londrino Sadiq Khan, em uma postagem no Twitter. Pouco antes do avião pousar, Trump escreveu em sua conta oficial: “Sadiq Khan, que, para onde quer que se olhe, fez um trabalho terrível como prefeito de Londres, tem sido tolamente desagradável em relação à visita do presidente dos Estados Unidos, de longe o mais importante aliado do Reino Unido. Ele é um perdedor de marca maior, que deveria se concentrar na criminalidade em Londres, não em mim. Khan me lembra muitíssimo nosso muito tolo e incompetente prefeito de Nova York [Bill] de Blasio, que também fez um trabalho terrível, só que é a metade da altura. De qualquer forma, tenho expectativa de ser um grande amigo do Reino Unido, e estou muito ansioso com a minha visita. Aterrissando agora!”, escreveu o presidente americano.

A postagem de Trump foi uma resposta à crítica de Khan à visita do presidente americano. No último fim de semana, o prefeito londrino publicou um artigo no qual compara Trump a ditadores das décadas de 1930 e 1940. Khan também criticou Trump pelo “uso deliberado da xenofobia, racismo e alienação como tática eleitoral” e se opôs à forma pomposa como o Reino Unido trata o americano.

Nesta segunda-feira, Khan se manifestou sobre a postagem de Trump, afirmando que “insultos infantis” não condizem com a postura de um presidente dos Estados Unidos.

Logo ao desembarcar, Trump falou sobre o Brexit em entrevista ao jornal britânico Sunday Times. O presidente americano defendeu uma saída da União Europeia sem acordo, caso Bruxelas não atenda às demandas do Reino Unido e não pague a conta do divórcio.

“Se não conseguirem o que querem, eu sairia. Se você não consegue o acordo que deseja, se você não consegue um acordo justo, então você vai embora”, disse Trump.

A saída sem acordo, no entanto, é considerado o pior cenário possível para o Reino Unido. Não à toa, empresários britânicos pedem uma saída branda. No dia 31 de maio, em uma carta aberta ao futuro sucessor de May, a Confederação de Indústria Britânica (CBI, na sigla em inglês) – principal organização empresarial britânica, que representa 190 mil empresas – defendeu que a saída da UE ocorra através de um acordo.

“Está claro para as grandes e pequenas empresas que sair da UE [União Europeia] com um acordo é o melhor caminho. Em caso de saída sem acordo, as perturbações em longo prazo para a competitividade britânica serão graves”, destacou o documento.

Fontes:
DW-Trump visita Reino Unido em meio a caos político
The Guardian-Donald Trump insults Sadiq Khan as he lands in UK for state visit

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *