Início » Economia » UE restringe importação de carne de frango do Brasil
EXPORTAÇÃO EM RISCO

UE restringe importação de carne de frango do Brasil

Bloco aponta má qualidade da carne de frango do Brasil como motivo. Governo brasileiro pode recorrer à OMC contra a medida

UE restringe importação de carne de frango do Brasil
O Brasil exportou, apenas em 2017, mais de 4,3 milhões de toneladas de carne de frango (Foto: Pixabay)

Ao todo, 20 frigoríficos brasileiros estão impedidos de exportar carne de frango para países da União Europeia (UE). A medida foi anunciada nesta quinta-feira, 19, após reunião do bloco europeu. A restrição, devido à suposta má qualidade do frango, já era esperada pelas autoridades brasileiras, que podem recorrer a Organização Mundial do Comércio (OMC).

O Brasil é líder mundial em exportação de frango. O país exportou, apenas em 2017, mais de 4,3 milhões de toneladas de carne de frango. A União Europeia é uma importante compradora, representando 7,5% das compras – cerca de 323 mil toneladas em 2017 – e 11% da receita. O receio, no entanto, vai além da restrição do bloco europeu.

Isso porque, segundo a superintendente de Relações Internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), Ligia Dutra, a decisão da UE pode influenciar outros países.

“Ainda que não seja o principal destino do frango brasileiro, a União Europeia é referência de regulação para o resto do mundo. Quando eles [países da UE] impõem uma norma sanitária, outros países podem seguir, e o risco é que a restrição afete mais mercados”, afirmou a superintendente em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo.

A decisão já foi anunciada, mas o nome das empresas ainda não foi divulgado oficialmente. No entanto, acredita-se que, entre os frigoríficos que ficarão impedidos de exportar os produtos, 12 pertencem a marca BRF – entre eles a Sadia e a Perdigão – e outros oito fazem parte de diferentes empresas. As informações são da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). A maior restrição a BRF seria pela acusação de que a organização estaria fraudando laudos de controle de salmonela.

Segundo o ministro da Agricultura, Blairo Maggi, no entanto, a presença de salmonela é comum e “não faz mal”, pois a carne de frango não é consumida crua, passando por um processo de cozimento.

Anteriormente, 10 frigoríficos já haviam sido impedidos, pelo próprio Brasil, de exportar para a União Europeia, a fim de melhorar as relações com o bloco europeu. No entanto, todos voltaram a ser liberados na última quarta-feira, 18.

Relações estremecidas

Desde a deflagração da Operação Carne Fraca, em março de 2017, as relações entre o Brasil, como um país exportador, e a União Europeia estremeceram. Na época, países como Estados Unidos e China chegaram a suspender a importação de alimentos brasileiros.

Na mesma época, o ministro da Agricultura afirmou que pesquisas mostravam que a carne não oferecia risco à saúde. Já o presidente Michel Temer, que chamou a operação de “espetáculo”, afirmou que as ações da Polícia Federal causaram prejuízo para a economia do Brasil.

Em março deste ano, uma nova fase da Operação Carne Fraca foi deflagrada. A União Europeia passou a analisar novas medidas a serem adotadas contra a importação do frango brasileiro.

Prejuízos econômicos

As ações do bloco europeu contra o Brasil podem afetar o acordo de livre comércio que está sendo negociado entre o Mercosul e a União Europeia. Para o ministro Maggi, a postura da UE “não se trata de um embargo sanitário. É uma guerra comercial”.

As restrições da União Europeia ao frango brasileiro podem afetar seriamente a economia do país, que ainda está se recuperando de um período de recessão. Segundo o economista Fabio Silveira, da consultoria Macrosector, o mercado externo e interno serão afetados caso as vendas para o bloco europeu sejam suspensas.

“Isso é horroroso tanto para o mercado externo quanto interno. Sem o frango brasileiro, o preço lá fora vai subir. Com mais frango aqui, o preço no mercado brasileiro vai ser derrubado de maneira ainda mais dramática. Isso não poderia ter acontecido numa hora pior”, afirmou Silveira, em entrevista ao Estadão.

De acordo com o ministro da Agricultura, a carne brasileira já passa por uma intensa análise antes de ser adquirida pela União Europeia. Devido a cotas impostas em outras oportunidades, as exportações para o bloco europeu tiveram uma queda de US$ 407 milhões, em 2007, para US$ 201 milhões, em 2017.

Fontes:
G1-União Europeia deve proibir parte dos frigoríficos brasileiros de exportar frango para região
Época Negócios-Embargo à carne de frango levará Brasil à OMC contra União Europeia
Estadão-Brasil vai à OMC contra União Europeia por barreiras à importação de frango

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *