Início » Brasil » ‘Vai ser ótimo que o dólar chegue a R$ 5’, disse Paulo Guedes um ano atrás
ECONOMIA

‘Vai ser ótimo que o dólar chegue a R$ 5’, disse Paulo Guedes um ano atrás

Às vésperas das eleições 2018, projeções para dólar no governo Bolsonaro giravam em torno de R$ 3,60

‘Vai ser ótimo que o dólar chegue a R$ 5’, disse Paulo Guedes um ano atrás
O dólar fechou a mais de R$ 4,20 na última segunda-feira, 18 (Foto: Max Pixel)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Quando ainda era “futuro ministro da Economia”, o economista Paulo Guedes afirmou que seria “ótimo” se o dólar chegasse a R$ 5,00 no governo Bolsonaro, porque isso permitiria a ele, Guedes, “reduzir a dívida interna” e depois seguir com sua vida.

“Se chegar a R$ 5, eu vendo as reservas e reduzo a dívida de R$ 4 trilhões para R$ 3,5 trilhões. E depois continuo com a minha vida. Isso já é um ajuste fiscal em si. É claro que isso seria em um cenário de crise especulativa. Se acontecer essa crise, não tenho nenhum medo. Podem vir e podem especular. Não tenho medo. Vai ser ótimo que o dólar chegue a R$ 5, porque vou reduzir dramaticamente a dívida interna. Vamos vender dólares a quem quiser comprá-los. Vamos vender bastante e depois reduzir a dívida interna”, disse Paulo Guedes há um ano, em novembro de 2018.

O dólar fechou a mais de R$ 4,20 na última segunda-feira, 18. Foi recorde de valor nominal da moeda americana desde a criação do plano Real, em 1994. É o “Dólar Bolsonaro”, num outro sentido, digamos assim, para a expressão “valor nominal”. Há cerca de um ano, porém, às vésperas do primeiro turno das eleições 2018, um dos principais jornalistas de economia do Brasil, Carlos Alberto Sardenberg, dava outro nome ao dólar nesse patamar: “Dólar Haddad”.

Dizia Sardenberg em artigo publicado n’O Globo no dia 4 de outubro de 2018: “Pessoal surpreendido com a queda do dólar depois das pesquisas de segunda e terça-feira. Era previsível. O dólar a R$ 4,15 refletia o temor com a forte ascensão de Haddad e a possibilidade, por menor que fosse, que o PT e a nova matriz voltassem ao governo. Afastada essa possibilidade, o dólar cai”.

Na manhã desta terça-feira, 19, Carlos Alberto Sardenberg disse na rádio CBN que o dólar não a R$ 4,15, mas a R$ 4,20, “é normal”, “não é motivo de pânico e nem de preocupação exagerada”, e que “bem mais grave que isso é o noticiário em torno do STF”.

“Nós estamos chegando a dezembro, e essa é uma época que tem muita remessa de dinheiro pro exterior das empresas que estão remetendo lucros e dividendos e tal, e tem também o pessoal que está viajando, também há um movimento de compras de dólares para as passagens internacionais”, disse Sardenberg nesta terça à CBN.

Às vésperas do segundo turno das eleições 2018, o site Money Times citava um “gestor” que “pediu para não ter seu nome citado” e que cravava o “Dólar Haddad” a R$ 5,00 caso o candidato do PT vencesse as eleições. A moeda americana poderia bater, na verdade, segundo o “gestor”, em R$ 5,60 com Haddad vitorioso, mas recuaria depois, “com o presidente eleito amenizando o discurso radical de campanha”.

Já o “Dólar Bolsonaro”, caso Bolsonaro fosse eleito o novo presidente, ficaria, segundo o Money Times, em torno de R$ 3,90.

No dia 5 de outubro de 2018 a revista Exame repercutia projeção da corretora Guide Investimentos de um “cenário-base” de R$ 3,67 para o dólar num eventual governo Bolsonaro. O “cenário-base” para o dólar num eventual governo Haddad era de R$ 4,61.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Rafael de Barros Faria disse:

    O Guedes é ministro ou especulador?

  2. Carlos disse:

    O fato é que o mercado não tem nome e tua se faz pelo mercado e mercado mente.

  3. Jose Cabral disse:

    Esse Guedes e economista mesmo? Se eu nao me engano, se ele fot ao mercado vender a enxurrada de dolares das reservas para diminuir a divida interna, pela lei da oferta e da procura, o preço deve despencar. Nao e isso que o governo faz quando quer abaixar o preço do dolar? Ou estou enganado?

  4. ARNALDO SALLES disse:

    EM ECONOMIA, E NA SITUAÇAO QUE O BRASIL ESTA E DIFICIL ENSAO DA DAR UMA POSIÇAO D MOEDA AMERICANA.
    NENHUM ECONOMISTA TEM UMA REGUA PROXIMA DA REALIDADE AS DIAGONAIS SAO MUITO GRANDE.
    NADA DO QUE ESCREVEM OS ECONOMISTAS,DIRETORES DE CORRETORAS,BANQUEIROS TEM UMA SITUAÇAO MAIS OU MENOS FIRME.NEM SE APARECER O MESTRE SCHODINGER.
    cordialmente
    arnaldo salles

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *