Início » Economia » Zona do euro mostra sinais de recuperação econômica
EUROPA

Zona do euro mostra sinais de recuperação econômica

A análise interativa da economia dos países europeus mostra um cenário ainda indefinido para um futuro próximo

Zona do euro mostra sinais de recuperação econômica
O crescimento aumentou 0,5% no primeiro trimestre de 2015 (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os 19 países da zona do euro tiveram um desempenho econômico melhor este ano. O crescimento aumentou 0,5% no primeiro trimestre de 2015, com uma pequena diminuição para 0,4% no segundo trimestre. A zona do euro tem se beneficiado com um duplo estímulo. Em primeiro lugar, a queda nos preços da energia causada pelo colapso do preço do petróleo teve o mesmo efeito de um corte de impostos. Em segundo lugar, a política de flexibilização quantitativa, ou seja, a criação de dinheiro para comprar ativos financeiros implementada pelo Banco Central Europeu desde março, manteve, entre outras implicações, a cotação baixa do euro, o que ajudou os setores comerciais dos países da região.

Com um olhar para o futuro, as perspectivas da área do euro não têm uma definição precisa. A desaceleração da China mantém a Alemanha, a economia mais importante da zona do euro sob controle, porque o mercado chinês foi lucrativo para suas exportações de bens de investimento e carros de luxo. Mas o impacto do escândalo da Volkswagen no cenário empresarial alemão enfraqueceu a marca poderosa “fabricada na Alemanha”.

Todos esses fatores agravaram-se ainda mais com o nervosismo gerado pela crise dos refugiados. Por outro lado, o fato de a Grécia ter tido, por fim, um terceiro resgate financeiro, eliminou a incerteza sobre sua possível saída da União Europeia, que causara um clima de grande apreensão no primeiro semestre do ano.

O gráfico interativo (atualizado em 15 de outubro de  2015) permite que os leitores analisem a saúde das economias europeias, entre elas as dos nove países membros da União Europeia que não pertencem à zona do euro, com  diversas abordagens, desde dados referentes a empregos, finanças públicas e o PIB.

Fontes:
The Economist-European economy guide

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *