Início » Vida » Comportamento » A decisão arriscada de abandonar o islamismo
APÓSTATAS

A decisão arriscada de abandonar o islamismo

A renúncia ao islamismo tem consequências graves e até mesmo fatais

A decisão arriscada de abandonar o islamismo
Em 19 países no mundo a apostasia é considerada um crime (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em 2014 a Arábia Saudita aprovou uma lei na qual igualava o ateísmo ao terrorismo. No ano passado, depois que um jovem postou um vídeo na internet em que aparecia rasgando um exemplar do Alcorão, os tribunais sauditas o condenaram à morte.

Segundo a International Humanist and Ethical Union, uma organização que defende o direito de livre pensamento e expressão, a Arábia Saudita é um dos 19 países no mundo que considera a apostasia, a renúncia de uma religião por outra ou a negação da fé, um crime; e é um dos 12 países que pune a apostasia com a condenação à morte. Neste último grupo, 10 países localizam-se no Oriente Médio e na África. Na prática, as sentenças de morte raramente se concretizam e, em geral, os apóstatas são presos e torturados.

Mesmo em países com leis civis que não proíbem a apostasia existem maneiras criativas de puni-la. Os tribunais islâmicos em Omã, Kuwait e Jordânia podem anular casamentos de apóstatas ou impedir que herdem propriedades. No Paquistão os casais que se convertem ao islamismo correm o risco de perderem a guarda dos filhos.

Nem todos são tão radicais na região. Apesar dos grandes riscos associados à dúvida da fé no mundo islâmico, a curiosidade em relação ao ateísmo está aumentando. De acordo com o Google Trends, os sete países mais interessados na palavra “ateísmo” estão no Oriente Médio. Em 2012, uma pesquisa realizada pela WIN/Gallup International indicou que os brasileiros eram mais religiosos do que os afegãos e os armênios católicos tinham um sentimento religioso mais forte do que os iraquianos. Talvez não seja uma surpresa total, mas a proporção de sauditas que dizem que são “ateus convictos” é quase a mesma dos americanos.

Fontes:
The Economist-Not advised

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Beraldo disse:

    A Arábia Saudita é um estrume. Os americanos a utilizam para estercar suas necessidades de petróleo e bases militares. Como as duas demandas já não são tão necessárias, estão ensaiando um distanciamento. Se for abandonada pelos americanos sucumbirá ao Irã.

  2. Ludwig Von Drake disse:

    É interessante que esses grupos que defendem a liberdade de expressão, não levam em consideração o direito de os muçulmanos

    …serem exatamente como são.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *