Início » Internacional » A Dinamarca reivindica o Polo Norte
O conflito glacial

A Dinamarca reivindica o Polo Norte

a atitude da Dinamarca provoca conflitos com as reivindicações da Rússia feitas à Unclos e, quase com certeza, com as do Canadá, que planejam garantir a soberania de parte da plataforma continental do Ártico.

A Dinamarca reivindica o Polo Norte
Esses países ambicionam explorar a riqueza mineral do oceano Ártico (Reprodução/site)

Em 2007 uma expedição polar liderada pela Rússia desceu as águas geladas do oceano Ártico no submarino Mir e jogou uma bandeira russa de titânio no fundo do oceano a 4 quilômetros abaixo do polo Norte. “O Ártico sempre pertenceu à Rússia”, declarou Artur Chilingarov, um dos exploradores da missão. Na ocasião, o receio que essa declaração desencadeasse um conflito pela posse da região do Ártico e de seus recursos naturais foi infundado. Nos anos seguintes o Arctic Council, um fórum intergovernamental constituído por países com territórios dentro do Círculo Polar Ártico, e de outros países com status de observadores, começou a exercer um papel bem mais atuante e uma das poucas disputas de fronteiras remanescentes entre a Noruega e a Rússia foi solucionada.

Agora a Dinamarca também reivindica a posse do polo Norte. Em 15 de dezembro o governo dinamarquês alegou que, segundo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (Unclos, na sigla em inglês), cerca de 900 mil quilômetros quadrados no oceano Ártico ao norte da Groelândia pertencem à Dinamarca (a Groelândia, dotada de um estatuto de autonomia interna, é território dinamarquês). O momento da reivindicação foi oportuno. Os requerimentos no contexto da Unclos têm de ser apresentados no prazo de dez anos de ratificação e a convenção foi regulamentada na Dinamarca em 16 de dezembro de 2004. No entanto, a atitude da Dinamarca provoca conflitos com as reivindicações da Rússia feitas à Unclos e, quase com certeza, com as do Canadá, que planejam garantir a soberania de parte da plataforma continental do Ártico.

Esses países ambicionam explorar a riqueza mineral do oceano Ártico, que em razão do aquecimento global ficou mais acessível. As temperaturas na região estão aumentando duas vezes mais do que no resto do planeta. Segundo a United States Geological Survey, a área tem um oitavo das reservas inexploradas de petróleo e talvez um quarto das reservas de gás.

Fontes:
The Economist-Frozen conflict

1 Opinião

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Em se tratando de conflito de terras (ou gelo), tem a posse quem coloca cerca e contrata os jagunços.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *