Início » Internacional » A fronteira da discórdia entre EUA e Canadá
ESTREITO DE DIXON ENTRANCE

A fronteira da discórdia entre EUA e Canadá

Região de conflito de povos autóctones do norte do Canadá e do Alasca, hoje o Estreito de Dixon Entrance é cenário de disputa da pesca de salmão

A fronteira da discórdia entre EUA e Canadá
As raízes da disputa em Dixon Entrance remontam ao século XVIII (Foto: YouTube)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Localizado entre o arquipélago Haida Gwaii, na costa norte da província de Colúmbia Britânica, no Canadá, e no extremo sul da região de Panhandle, no Alasca, o estreito Dixon Entrance é o habitat de orcas, albatrozes e de cinco espécies de salmão. O estreito marca a fronteira entre o Canadá e os EUA e é vigiado por barcos de Proteção da Pesca da Marinha Real do Canadá.

Essa linha divisória foi cenário de disputa entre a população autóctone em busca de peles de animais e ouro muito antes da chegada dos europeus ao continente americano e ao Alasca. Atualmente, o objeto de disputa entre canadenses e americanos é a pesca de salmão.

As raízes da disputa em Dixon Entrance remontam ao século XVIII, quando os colonizadores russos e ingleses chegaram à região de Panhandle. Durante o período da colonização russa, as fronteiras sul e leste de Panhandle nunca foram definidas. O Tratado de São Petersburgo, firmado em 1825 entre a Grã-Bretanha e a Rússia, estabeleceu a fronteira  ao sul de Panhandle, hoje, próxima à cidade de Prince Rupert, na Colúmbia Britânica. Em 1867, os Estados Unidos compraram o Alasca da Rússia. Após a compra, o governo do Canadá propôs aos EUA a criação de uma fronteira oficial entre o Alasca e o território canadense, mas na época o governo americano não se interessou em explorar essa região tão remota.

Porém, em 1897 foram descobertas minas de ouro na Colúmbia Britânica e em Klondike, no noroeste do Canadá. Cerca de 100 mil garimpeiros migraram para a área seguindo uma rota que passava por Dixon Entrance e, em seguida, atravessava a região de Panhandle. Os conflitos na fronteira agravaram-se e os dois países não conseguiram chegar a um acordo sobre os limites territoriais.

Em 1903, um tribunal internacional composto de seis juízes dos EUA, Canadá e Grã-Bretanha criou a linha A-B, que se estende do cabo Muzon, o ponto mais ao sul da ilha Dall no Alasca a Dixon Entrance e ao canal de Portland.

No entanto, Dixon Entrance continuou a ser um local de confrontos entre o Canadá e os EUA devido à pesca lucrativa de salmão.

Entre as décadas de 1880 e 1950, mais de 100 fábricas de conserva de pescado e vilarejos de pescadores espalharam-se pela Colúmbia Britânica e as cinco espécies de salmão selvagem – real, vermelho, prateado, keta e rosado – são exportadas para 53 países. 

Os barcos de pesca do Canadá e do Alasca reúnem-se em Dixon Entrance na época da migração anual do salmão. As violações territoriais de ambos os lados às vezes resultam em conflitos sérios, como durante a “guerra do salmão” na década de 1990.

Em 1985, o Pacific Salmon Treaty definiu as áreas de pesca de salmão para ambos os países em partes iguais. Porém, quando algumas cláusulas do tratado expiraram em 1992, as tensões aumentaram. Por fim, em 1997, pescadores canadenses bloquearam a passagem de uma balsa do Alasca em Prince Rupert por três dias e prenderam os passageiros como reféns.   

Um novo acordo assinado em 1999 regulamentou os direitos da população autóctone à pesca de salmão e diminuiu os conflitos causados pelas violações territoriais. 

A pesca de salmão no Dixon Entrance é uma fonte importante de receita para a região noroeste do oceano Pacífico. As comunidades locais cuidam dos viveiros de peixes. As crianças em idade escolar aprendem a cuidar das incubadoras e soltam os filhotes de salmão na água no início da primavera. E os indígenas cantam uma música especial para atrair os cardumes de salmão.

Enquanto isso, os turistas em grandes navios de cruzeiro que fazem a travessia do Dixon Entrance, alheios aos conflitos políticos, admiram a paisagem deslumbrante dos fiordes, dos picos das montanhas cobertos de neve, das cachoeiras, e de animais como lontras, orcas, aves marinhas e ursos.

Fontes:
BBC-The little-known US-Canada border war

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *