Início » Internacional » A política americana de comprar armas e temer refugiados
ESTADOS UNIDOS

A política americana de comprar armas e temer refugiados

Em média, há 92 mortes diárias nos EUA por conta de armas de fogo

A política americana de comprar armas e temer refugiados
A chacina em San Bernardino, na Califórnia, foi dramática, mas existe uma média de 92 mortes diárias nos Estados Unidos por conta de armas de fogo (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os políticos americanos falam sobre a ameaça dos refugiados sírios, mesmo que nos últimos 12 anos nenhum refugiado tenha matado alguém em um ataque nos Estados Unidos.

A chacina em San Bernardino, na Califórnia, foi dramática, mas existe uma média de 92 mortes diárias nos Estados Unidos por conta de armas de fogo, o que inclui suicídios, assassinatos e acidentes. Então, se os políticos querem enfrentar uma ameaça, desenvolver uma política séria para reduzir as mortes por armas de fogo deve ser a solução.

É fácil ver os refugiados sírios como jihadistas que querem matar, o complicado é os ver chegando em botes lotados depois de uma jornada perigosa. Talvez, os críticos consigam perceber que os refugiados são como qualquer outra pessoa, só que molhados, com frio, com fome e exaustos.

Na ilha de Lesbos, na Grécia, os refugiados sírios encontram médicos israelenses, trabalhando para a organização IsraAID. Os refugiados se dizem surpresos, mas também satisfeitos.  A presença de judeus, muçulmanos e cristãos lado a lado é um exemplo de tolerância.

Historicamente, os americanos interpretaram mal os estrangeiros por diversas vezes. Em 1938 e 1941, uma família judaica tentou ganhar o status de refugiada no país, mas não obteve sucesso. Esta família era a de Anne Frank, que assim como milhares de outras foram mal compreendidas. Então, se os nazistas são os responsáveis por ter matado Anne, os Estados Unidos são de alguma forma cúmplices.

“Nós estamos enfrentando uma grande ameaça de extremistas islâmicos como o Isis e nós precisamos saber ser espertos para enfrentá-los”, disse Peter Bouckaert do Human Rights Watch. “Humilhando e rejeitando aqueles que estão fugindo do Isis, nós criamos um sentimento de raiva no Oriente Médio. O resultado final de rejeitar refugiados sírios é uma vitória para a propaganda do Estado Islâmico.”

Fontes:
The New York Times-Hysteria About Refugees, but Blindness on Guns

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    O esquerdista New York Times está comparando alhos com bugalhos. Impedir as pessoas de possuir uma arma não vai impedir que bandidos e terroristas usem armas proibidas como se faz a cada minuto no Brasil. Além disso, com uma taxa elevadíssima de simpatizantes e terroristas entre todos os muçulmanos, não fazia o menor sentido abrir as portas para esse pessoal. De qualquer maneira, depois de receber de braços abertos mais de 600.000 muçulmanos mesmo depois de terem sido atacados em seu próprio solo em 2001, nem adianta mais fechar as portas. A desgraceira já foi feita.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *