Início » Internacional » Agricultores indianos usam escolas para abrigar vacas sagradas
SEM ESPAÇO

Agricultores indianos usam escolas para abrigar vacas sagradas

Tidas como sagradas pelos hinduístas, as vacas têm sido mantidas presas em pátios escolares por ameaçarem as plantações locais

Agricultores indianos usam escolas para abrigar vacas sagradas
Estado de Uttar Pradesh tem sido um dos mais atingidos pelo fenômeno (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

No final de dezembro de 2018, Jyotsna Bandhu, uma funcionária do governo encarregada de supervisionar uma região rural no norte da Índia, estava em uma reunião quando recebeu um telefonema estranho.

Era de um diretor de uma escola de ensino médio em Edalpur, um vilarejo com 2 mil habitantes cercado por plantações de trigo e batata. “Cem moradores locais trancaram vacas no prédio da escola e aguardam uma solução para o problema em frente ao colégio”, disse o diretor Bani Singh. “O que devo fazer?”.

No dia seguinte, Bandhu recebeu um telefonema semelhante de outro vilarejo na mesma região. Depois disso, a decisão de abrigar vacas em escolas disseminou-se como uma “reação em cadeia”, segundo suas palavras.

Logo em seguida, mais 15 povoados relataram o mesmo fenômeno. Fazendeiros furiosos trancaram centenas de vacas abandonadas nos pastos em escolas públicas, transformando-as em abrigos de animais e desafiando o governo local a solucionar o problema de animais que destroem suas plantações.

Na Índia, faz parte da paisagem local a presença de vacas e bois andando a esmo pelas estradas e ruas das cidades e povoados. Masem Uttar Pradesh, o estado mais populoso e importante do ponto de vista político do país, os protestos de fazendeiros que se sentem ameaçados pelos animais, que andam sem destino por suas plantações intensificaram-se.

O problema, que o governo do estado chamou de “assunto extremamente sensível”, é consequência da exacerbação da corrente hinduísta na Índia. No governo do primeiro-ministro Narendra Modi, do Partido Bharatiya Janata (BJP), a proteção às vacas, consideradas sagradas no hinduísmo, converteu-se em uma prioridade política.

Em Uttar Pradesh, um estado com mais de 200 milhões de habitantes, o esforço para proteger as vacas teve efeitos inesperados. Em 2017, por indicação de Modi, Yogi Adityanath, um adepto do hinduísmo radical, assumiu o cargo de ministro-chefe do estado. Adityanath aprovou uma série de medidas de combate às atividades de matadouros não regulamentados e de transporte e venda de gado.

Ao mesmo tempo, o aumento do número de indianos extremistas fez com que o transporte de gado em Uttar Pradesh se transformasse em uma tarefa cara e perigosa. Com frequência, indianos, sobretudo muçulmanos, têm sido espancados e assassinados por seguidores do hinduísmo radical por suspeita de contrabando ou morte de vacas.

A política de proteção a esses animais causou problemas entre os fazendeiros. Quando as vacas não mais produziam leite e os touros não podiam mais se reproduzir ou trabalhar como animais de carga nas fazendas, em geral eles eram vendidos para comerciantes de gado que os levavam para outros estados ou os abatiam em matadouros locais. Agora, os pecuaristas defrontam-se com a opção de arcarem com as despesas de alimentação e cuidados médicos de animais improdutivos ou de soltá-los nos campos. A escolha da última opção tem predominado entre os fazendeiros de Uttar Pradesh.

No início deste ano, fazendeiros de Edalpur organizaram turnos de vigílias à noite para encontrar os animais que estavam destruindo suas plantações de batata e trigo. Armados com paus e lanternas, eles não hesitaram em espancar os pobres animais para expulsá-los de suas terras.

No vilarejo de Bedai, no mesmo distrito de Edalpur, a escola de ensino médio tinha sido recém-pintada com um tom alegre de amarelo. Em 31 de dezembro, 200 vacas invadiram o pátio da escola. Durante os quatro dias em que ficaram presos na escola, os animais enlamearam as paredes e as impregnaram com o mau cheiro de urina. Como a escola ficou fechada até meados de janeiro para limpeza e reforma, seus 70 alunos foram transferidos para uma escola primária próxima ao local.

Em 2012, o último recenseamento oficial em Uttar Pradeshestimou que mais de 1 milhão de vacas tinham sido abandonadas por seus donos na região rural do estado.

Diante de um problema com dimensões tão sérias, o ministro-chefe Adityanath criou um novo imposto no valor de 0,5% a ser cobrado em pedágios de algumas autoestradas e em empresas estatais para financiar a construção de abrigos para vacas. O governo também anunciou a concessão de subsídios aos distritos que adotassem medidas de combate ao abandono de animais.

O governo já recolheu 2.800 cabeças de gado em abrigos administrados pelo poder público. Planos futuros incluem a construção de abrigos em todos os vilarejos do estado, disse Bandhu, uma jovem funcionária competente e dinâmica. “Estamos lutando na linha de frente de uma batalha”, acrescentou.

Fontes:
The Washington Post-In India, sacred cows are running amok. So villagers are locking them in schools

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *