Início » Vida » Comportamento » Almoço em escolas cria polêmica sobre laicidade na França
EDUCAÇÃO NA FRANÇA

Almoço em escolas cria polêmica sobre laicidade na França

Prefeito de Chalon-sur-Saône proíbe escolas públicas de oferecer refeições alternativas a alunos que não comem porco por considerar a medida 'discriminação'

Almoço em escolas cria polêmica sobre laicidade na França
Forçar as crianças a escolher entre comer carne de porco ou ficar com fome é uma perversão do princípio de laicismo, diz 'NYT' (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A laicidade na França agora gira em torno de uma polêmica sobre comida. Em março, o prefeito de Chalon-sur-Saône (uma cidade na região da Borgonha, no leste da França), Gilles Platret, disse que as escolas públicas da cidade não poderiam mais oferecer uma refeição sem carne de porco. A proibição entrou em vigor após o conselho municipal da cidade ter aprovado a medida no mês passado.

Segundo um editorial publicado no último domingo, 18, no New York Times, o argumento absurdo de Platret foi dizer que ao oferecer uma alternativa aos alunos por motivos religiosos ou outros, a opção de não comer porco é uma “discriminação”. Segundo ele, é preciso que todas as crianças tenham o direito ao mesmo almoço para defender o laicismo francês.

Forçar as crianças a escolher entre comer carne de porco ou ficar com fome é uma perversão do princípio de Estado laico. Além disso, esta é uma forma de estigmatizar e marginalizar as minorias francesas, tanto as comunidades muçulmanas quanto a população judia.

O ex-presidente Nicolas Sarkozy, que lidera o partido de Platret, o Les Républicains, apoiou abertamente a proibição, chamando a opção de almoço sem carne de poco como uma ameaça a “nossa tradição e nossa forma de vida”. Na verdade, essa é uma tentativa de conseguir votos daqueles que foram a favor da Frente Nacional, partido de extrema-direita.

A Liga de Defesal dos Muçulmanos registraram queixas num tribunal em Dijon. O tribunal deve legislar a favor da liga, apesar disso só afetar Chalon-sur-Saône.

Uma solução é um projeto de lei que está sendo feito no Parlamento para obrigar as escolas públicas de terem uma opção de almoço vegetariano e com valores nutritivos balanceados. Isso evitaria o estigma entre alunos que comem e não comem carne de porco por qualquer motivo.

 

Fontes:
The New York Times-French Secularism and School Lunch

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    O cristianismo já é um perigo para uma sociedade laica, e durante séculos travou o desenvolvimento da humanidade. Felizmente aconteceu o Iluminismo.
    O islamismo, então, chega ao nível de praga nacional, e não surge nenhum filósofo muçulmano para iluminar a escuridão em que se arrastam.
    Vamos ver quanto tempo leva para essa doença do oriente médio se disseminar no Brasil. Esse pessoal não só quer ser alimentado pelos franceses (politicamente corretos), como ainda quer escolher o cardápio. No Brasil seriam todos petistas fanáticos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *