Início » Internacional » Alunos de Parkland protestam em prol da regulação das armas
ESTADOS UNIDOS

Alunos de Parkland protestam em prol da regulação das armas

Pouco depois do ataque, jovens se encontram com legisladores para discutir medidas

Alunos de Parkland protestam em prol da regulação das armas
A campanha #NeverAgain recebeu o apoio de várias celebridades (Foto: Twitter/@AlexFranzblau)

Cerca de cem alunos da Marjory Stoneman Douglas High, escola alvo de um ataque na semana passada, estão levando sua campanha #NeverAgain (Nunca mais) para os legisladores da Flórida, em Tallahassee. Muitos dos que chegaram à cidade foram para capital da Flórida logo depois de comparecer aos funerais de seus colegas.

Nesta quarta-feira, 21, os adolescentes se encontram com legisladores para discutir as medidas de controles das armas. Os jovens também se juntaram a um grupo de ativistas contra as armas para realizar um protesto na entrada do capitólio estadual.

“A única forma de passar isso é fazer uma mudança. Há uma centena de jovens de uma escola que acabou de passar por um ataque há menos de uma semana vindo especificamente aqui para falar com eles. Então se estes legisladores não forem receptivos, isso vai ser muito vergonhoso para eles”, explica Sofie Whitney, aluna da escola e uma das fundadoras da campanha.

Entre as demandas dos estudantes está a verificação mais firme do passado de quem quer ter uma arma e regulações que impeçam que armas caiam nas mãos de pessoas mentalmente doentes.

No dia 24 de março, eles vão realizar a Marcha Por Nossas Vidas. A campanha #NeverAgain recebeu o apoio de várias celebridades, inclusive do ator George Clooney e sua mulher, Amal, que prometeram US$ 500 mil para apoiar a marcha do mês que vem. Oprah Winfrey e Steven Spielberg anunciaram a mesma doação.

Ainda nesta quarta-feira, centenas de alunos de Parkland e seus familiares, deputados e políticos, incluindo dois senadores da Flórida (Marco Rubio e Bill Nelson) vão participar de um debate televisivo sobre o controle de armas. Os alunos reclamam de Rubio, que aceita dinheiro da Associação Nacional do Rifle e se recusa a apoiar a reforma do controle das armas em Washington.

Pressão na Casa Branca

Com tantos protestos, o presidente americano, Donald Trump, falou em mudanças pela primeira vez. Na última terça-feira, 20, ele voltou a afirmar que é preciso mais proteção para as crianças. Trump também anunciou ter assinado um documento recomendando que o Departamento de Justiça proponha uma lei ao Congresso que proíba o uso dos chamados “bump stocks”, dispositivos que permitem que fuzis semiautomáticos disparem rajadas contínuas e passem a funcionar como armas automáticas.

Segundo o Departamento de Crianças e Famílias da Flórida, Nikolas Cruz, acusado do massacre na escola do ensino médio, sofria de depressão e teve diagnóstico de autismo e déficit de atenção. Embora tenha recebido prescrições de remédios controlados, ele conseguiu comprar uma arma.

Leia mais: Ataques nos EUA fazem com que professores tenham novo papel
Leia mais: Tiroteio em escola na Flórida deixa pelo menos 17 mortos

Fontes:
The Guardian-Students take fight for gun control to Florida legislators' doorstep
Agência Brasil-Trump fala em mudanças de regras sobre armas nos Estados Unidos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Carlos Valoir Simões disse:

    Tolos, acham que um amontoado de ativistas gazeteiros vão mudar uma constituição de mais de duzentos anos. O resultado disso é que o Trump quer autorizar o porte em sala de aula pelos professores. Toma!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *