Início » Brasil » Após Áustria, França também deve rejeitar acordo Mercosul-UE
MERCOSUL-UE

Após Áustria, França também deve rejeitar acordo Mercosul-UE

Ministra do Meio Ambiente, Elisabeth Borne garantiu que a França não vai assinar o acordo devido à política ambiental do Brasil

Após Áustria, França também deve rejeitar acordo Mercosul-UE
França, Áustria e Irlanda já demonstraram resistência ao pacto comercial (Foto: Divulgação/Ministério do Meio Ambiente)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A ministra francesa do Meio Ambiente, Elisabet Borne, afirmou que a França não vai assinar o acordo entre União Europeia e Mercosul, firmado no último mês de junho. O principal motivo seria a política ambiental do Brasil.

Em entrevista à emissora de televisão BFM nesta terça-feira, 8, Borne seguiu o posicionamento do presidente francês, Emmanuel Macron, em relação aos cuidados do Brasil com a Amazônia. A ministra garantiu que “a França não assinará o acordo do Mercosul nessas condições”.

“Não podemos assinar um tratado comercial com um país que não respeita a floresta Amazônica, que não respeita o tratado de Paris”, apontou a ministra, fazendo alusão ao Acordo de Paris, o qual foi assinado em 2015.

O posicionamento da França segue a recente decisão do Parlamento da Áustria que, em setembro, rejeitou o acordo entre União Europeia e Mercosul. Na ocasião, com exceção de um partido, todas as legendas, da esquerda às ultranacionalistas de direita, votaram a favor de uma moção que obriga o governo a rejeitar o acordo. A única exceção ficou por conta do liberal NEOS, que votou a favor do acordo entre os blocos, porém, com algumas alterações no pacto.

Assim como França e Áustria, a Irlanda também já demonstrou resistência ao acordo entre os blocos econômicos. O governo irlandês atrelou o posicionamento aos “compromissos ambientais” do Brasil. Fontes do governo brasileiro afirmaram ao Globo que o posicionamento dos países já era esperado e não preocupa.

A afirmação da ministra francesa ocorre pouco tempo depois de diferentes trocas de farpas entre o presidente da França, Emmanuel Macron, e o chefe de Estado brasileiro, Jair Bolsonaro, em relação à Amazônia e uma possível ajuda internacional.

Leia também: Por queimadas, Nestlé reavalia compra de carne e cacau do Brasil
Leia também: Empresa confirma suspensão de compra de couro brasileiro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. jayme endebo disse:

    Politica ambiental é uma ova, antes ficou vinte anos sem aprovação e sequer existia Bolsonaro.A França tem medo da concorrência de nossos produtos agrícolas, simples assim. Pior pra eles pois há outros mercados maiores e menos protecionistas que logo serão fechados acordos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *