Início » Internacional » Arábia Saudita corta em 50% a produção de petróleo
APÓS ATAQUES À SAUDI ARAMCO

Arábia Saudita corta em 50% a produção de petróleo

Secretário de Estado dos EUA culpa o Irã por ataques a campos da Saudi Aramco. Chanceler iraniano nega e diz que Mike Pompeo se voltou para a ‘farsa total’

Arábia Saudita corta em 50% a produção de petróleo
Vídeo postado nas redes sociais mostra a densa fumaça que se formou durante o incêndio (Foto: YouTube)

A Arábia Saudita reduziu pela metade sua produção de petróleo em decorrência dos dois ataques coordenados com drones contra duas refinarias da estatal Saudi Aramco, a principal petroleira do mundo e motor da economia saudita.

A informação foi confirmada pelo príncipe e ministro da Energia saudita, Abdulaziz bin Salman, que informou uma redução da produção diária de cerca de 5,7 milhões de barris. A quantidade corresponde a cerca de 5% da oferta global.

O ministro saudita condenou os ataques, afirmando que eles tiveram como alvo a oferta e segurança global de petróleo, não apenas a Arábia Saudita.

Representantes sauditas afirmam que vão adotar medidas para compensar qualquer risco de interrupção no mercado global de petróleo. Acrescentaram que vão consertar as instalações rapidamente e usar reservas de petróleo bruto para substituir as perdas.

Na madrugada do último sábado, 14, dois campos de petróleo da Saudi Aramco foram alvos de ataques coordenados com drones, reivindicados por rebeldes houthis, que travam no Iêmen uma guerra contra a coalizão saudita.

Os ataques tiveram como alvo a maior fábrica de processamento de petróleo da Aramco, localizada em Abqaiq, e um campo de petróleo operado pela gigante estatal saudita localizado em Khurais. Eles resultaram em explosões e incêndios em ambas as instalações, que formaram uma densa coluna de fumaça que podia ser vista do espaço.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, atribuiu os ataques ao Irã, afirmando “não haver evidência de que os ataques tenham vindo do Iêmen”

“Teerã está por trás de quase 100 ataques à Arábia Saudita, enquanto Rouhani e Zarif fingem se engajar na diplomacia. Em meio a todos os pedidos de redução na escalada [de ataques], o Irã agora lançou um ataque sem precedentes ao suprimento de energia do mundo. Não há evidências de que os ataques tenham vindo do Iêmen”, escreveu Pompeo, em sua conta no Twitter.

Em resposta à acusação, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Abbas Mousavi, veio a público negar as acusações, que classificou como “infundadas”. Em pronunciamento, Mousavi destacou que as acusações têm como objetivo “prejudicar a reputação do país e criar uma justificativa para ações futuras”.

A declaração foi respaldada pelo ministro das Relações Exteriores iraniano, Javad Zarif, que acusou Pompeo de se voltar para a “farsa total”, após falhar na “pressão total” contra o Irã.

“Tendo falhado na ‘pressão total’, @SecPompeo está se voltando para a ‘farsa total’. Os EUA e seus clientes estão presos no Iêmen por causa da ilusão de que a superioridade das armas levará à vitória militar. Culpar o Irã não vai acabar com o desastre. Aceitar nossa proposta de abril para acabar com a guerra e começar as negociações talvez sim”, afirmou o ministro.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Pensando Alto disse:

    A coisa toda cheira mal e me parece mesmo uma farsa da Arabia Saudita para aumentar o preço do petróleo
    Se olharem fotos do Google Earth verão que a área estava em cahams fica fora da refinaria e parece ser uma simples bacia de acumulação qeu exitem nas refeinarias para o caso de vazamentos,

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *