Início » Internacional » Arafat e Rabin assinam acordo de autonomia de Gaza e Jericó
Nesta Data

Arafat e Rabin assinam acordo de autonomia de Gaza e Jericó

No dia 13 de setembro de 1993, Israel e Palestina assinam acordo de autonomia de Gaza e Jericó

Arafat e Rabin assinam acordo de autonomia de Gaza e Jericó
Arafat e Rabin apertaram as mãos em um sinal de paz inédito entre Israel e Palestina (Foto: Wikimedia)

Israel e Palestina vivem em constante situação de conflito. Negociações de paz já foram realizadas, mas os dois países nunca conseguiram acabar com os conflitos na Faixa de Gaza. No dia 13 de setembro de 1993, em Washington, Yitzhak Rabin e Yasser Arafat assinaram a declaração que reconhece a autonomia de Gaza e Jericó.

O conflito entre judeus e palestinos começou no final do século 19, após a ocupação da antiga Palestina, onde seria criado o Estado de Israel, pelos judeus. À medida que a migração aumentou, os conflitos com os palestinos começaram. A ONU tentou mediar as tensões dividindo o território e deixando Jerusalém sob a administração internacional, porém os árabes não aceitaram.

Após anos de tensões, os dois governos iniciaram as negociações de paz, que durou seis meses e culminou na assinatura da declaração da autonomia de Gaza e Jericó. Arafat e Rabin apertaram as mãos publicamente em um gesto de paz, porém a guerra não foi encerrada.

Durante os sete anos que se seguiram, os dois governos tentaram ratificar o acordo, mas não conseguiram atingir um meio termo na questão de Jerusalém. Em setembro de 2000, a guerra se intensifica novamente.

Novas reuniões foram realizadas desde então, mas não houve acordo entre Israel e Palestina. Em maio de 2015, a União Europeia retomou o diálogo entre as duas nações tentando atingir a paz.

Fontes:
IG-Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

2 Opiniões

  1. IBS disse:

    Os territórios ocupados por Israel foram conquistados de maneira legítima, pois os países vizinhos de Israel resolveram, todos em conjunto. exterminar o recém formado estado de Israel e seu povo. O resultado da guerra foi exatamente o contrario: Israel destruiu os inimigos invasores e expandiu seu território de maneira legítima. Depois destas conquistas, Israel vinha desenvolvendo uma politica de paz com os vizinhos belicosos, em troca de territórios. Essa política equivocada resultou em mais guerras e ameaças de guerras contra Israel. Os vizinhos de Israel não querem a paz, querem exterminar Israel. O motivo das ameaças contra o estado de Israel e seu povo vem da doutrina Islãmica violenta, do racismo/sionismo e do desejo de vingança dos estados derrotados por Israel em três guerras principais. Israel continua sobrevivendo a tudo e a todos. Como cristão bíblico, acredito pessoalmente que a existência atual de Israel é um milagre. É resultado de intervenção divina em favor de Israel, para que o Senhor Deus cumpra suas palavras reveladas nas profecias de bençãos e vitórias para Israel, no antigo e novo testamento. A salvação dos homens pecadores de todo o mundo veio através de Jesus Cristo. E esse foi e é da raça dos filhos de Israel, dos judeus, da tribo de judá. Ora, os judeus israelenses também precisam de salvação. O judeu Jesus Cristo, o messias, não negou salvação ao povo de Israel.

  2. jayme endebo disse:

    A forma como se noticia é bastante errada, primeiro se diz que os “dois países” nunca …. ora nunca existiu o país “palestina” e sim uma região que foi ocupada pelos Otomanos e que logo a sua queda foi disputada pelos árabes e judeus. Na partilha a Palestina judaica virou Israel e a parte árabe foi ocupada pelos vizinhos Egito e Jordania durante 20 anos e após a Guerra dos 6 dias na qual eles perderam virou disputa com os árabes residentes e que se chamam hoje de Palestinos. Guerra entre palestinos e israelenses não houve e sim 4 guerras entre israelenses e paises árabes seus vizinhos, com os palestinos houve conflitos em 3 vezes nas famosas Intifadas. Com os árabes já tem a paz com o Egito e a Jordania mas com a Síria e o Líbano há trégua e os outros países árabes fora das fronteiras há vários tratados e relações comerciais. O cenário do oriente médio e´muito complicado e levará ainda muito tempo para a paz ser definitiva.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *