Início » Economia » Argentina e Venezuela estão perdendo a guerra contra a crise
inflação e escassez

Argentina e Venezuela estão perdendo a guerra contra a crise

Inflação na Argentina subiu mais de 1.000% na gestão Kirchner, enquanto a escassez de produtos básicos na Venezuela chavista atingiu um patamar histórico

Argentina e Venezuela estão perdendo a guerra contra a crise
Crise desafia os governos de Nicolás Maduro e Cristina Kirchner (Reprodução/Internet)

A inflação acumulada na Argentina cresceu 1.000% durante o governo Kirchner, que começou em 2003 com o ex-presidente Néstor Kirchner e segue até o dia de hoje com a viúva Cristina.

Os cálculos foram feitos por Graciela Bevacqua, ex-diretora do INDEC, o IBGE argentino. Graciela foi afastada do cargo em 2007, após uma intervenção do governo no órgão. Desde então, Graciela trabalha como consultora de preços independente, enquanto o INDEC passou a ser acusado de manipular as estatísticas oficiais do governo.

Segundo o jornal argentino El Clarín, “mais da metade do salto inflacionário (57%) foi impulsionado pelos preços regulados pelo governo, em especial, as tarifas de serviços públicos, como transporte, gás e água”.

O governo argentino ainda não divulgou a inflação oficial de 2014, mas o ministro da economia Axel Kicillof já divulgou a lista dos produtos incluídos no programa preços cuidados, uma parceira entre o governo e grandes redes de supermercado para conte a inflação através do controle de preços.

Na Venezuela, escassez de produtos básicos gera tensão

A falta de produtos básicos atingiu um patamar histórico na Venezuela. Em todo o país, produtos como leite em pó, farinha, fralda e café se tornaram raríssimos e quando chegam a algum supermercado são brutalmente disputados. Aqueles que conseguem garantir quatro pacotes, a quantidade máxima permitida, enfrentam longas filas.

Por causa da escassez, saques em supermercados se tornaram cada vez mais frequentes. Para lidar com o problema, as redes passaram a fazer a distribuição dos alimentos sob escolta da Guarda Nacional Bolivariana.

Na semana passada, o governo de Caracas disse que o presidente trava uma guerra econômica com o setor produtivo nacional. Segundo o governo, o setor quer causar desordens que levem à renúncia do presidente Nicolás Maduro. O chefe do governo de Caracas, Ernesto Villegas, aumentou a polêmica ao dizer que os saques são incitados por “filhinhos de papai”.

Fontes:
O Globo-Via-crúcis para comprar comida na Venezuela em meio à crise
O Globo-Inflação da Argentina subiu mais de 1000% em uma década, diz consultoria

2 Opiniões

  1. Joma Bastos disse:

    Quando 95% da economia da falida Venezuela depende do petróleo, e com o baixo preço de mercado dos combustíveis fósseis, não seria melhor o Maduro pedir eleições antecipadas?

  2. Roberto1776 disse:

    O voto DE analfabetos certamente é a causa desses desastres que ameaçam seriamente o Brasil, visto que dilma levou quatro anos para se dar conta de que o mantega não entende nada de economia.
    Além do voto permitido aos analfabetos, contribui também, e muito,o voto dos analfabetos funcionais que sabem ler mas não conseguem entender.
    Em terceiro lugar aparece o voto maciço EM analfabetos, como tem acontecido nos últimos 12 anos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *