Início » Internacional » Articulista britânico acha loucura um prédio de uma milha de altura
Opinião

Articulista britânico acha loucura um prédio de uma milha de altura

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O príncipe Al-Waleed bin Talal tem planos de construir um arranha-céu deste tamanho perto da cidade de Jeddah, na Arábia Saudita.

Com 1.600 metros de altura, o edifício teria mais que o dobro do tamanho do que seria o segundo maior prédio do mundo, e seria quase seis vezes mais alto do que a Torre Eiffel. O articulista Marcel Berlins, do Guardian, ressalta os riscos que representariam para vidas humanas hipóteses como um incêndio ou um ataque terrorista em algo "tão monstruosamente desproporcional".

Segundo Berlins, o edifício seria apenas o produto de uma disputa de egos entre homens, cidades e países ricos. Para ele, o único objetivo do príncipe saudita com a idéia do prédio de uma milha de altura é ultrapassar a torre Burj, em Dubai, que será o edifício mais alto do mundo quando for concluído, em 2009.

Fontes:
Guardian - The proposed mile-high skyscraper is a terrible idea

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Dorival Silva disse:

    Realmente é uma disputa de egos, jogando dinheiro fora para se exibir.

  2. Carlos Martell disse:

    Dinheiro na mão de idiotas dá nisso…

  3. Markut disse:

    É realmente temerário e estupidamente estimulado por uma competição de egos inflados e distorcidos pelo excesso de riqueza.
    Os riscos de desastres aumentam exponencialmente com o aumento das alturas dessas obras.
    Por mais que os recursos cibernéticos permitam projetos cada vez mais arrojados, seria necessário checar esses avanços com a realidade, antes de dar o passo à frente.
    O que preocupa é que os arquitetos estão explorando este nicho de criatividade, impondo formas e geometrias cada vez mais ousadas, sem pensar nos desafios de cálculo, execução e manutenção e sem considerar os problemas ambientais e de segurança ,dessas concentrações de atividades humanas.
    O articulista inglês tem toda a razão.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *