Início » Internacional » As religiões minoritárias no Oriente Médio têm condições de sobreviver?
Religiões minoritárias no Oriente Médio

As religiões minoritárias no Oriente Médio têm condições de sobreviver?

A maioria das religiões predominantes na região, sobretudo o Islã, é bastante tolerante com as religiões minoritárias

As religiões minoritárias no Oriente Médio têm condições de sobreviver?
Este livro enfatiza alguns tópicos, em especial o destino da seita dos yazidis (Reprodução/Demotix)

O que mais fascina neste extraordinário livro, Heirs to Forgotten Kingdoms: Journeys into the Disappearing Religions of the Middle East de Gerard Russell, é o fato de que todas as religiões do Oriente Médio, não só as religiões abraâmicas (judaísmo, islamismo e cristianismo), mas também diversas religiões esotéricas misteriosas se entrelaçaram de uma maneira instigante ao longo dos séculos. Essa comunhão de crenças deveria unir as pessoas, com o incentivo ao respeito mútuo por sua espiritualidade comum e o amor à mesma herança, e não estimular conflitos étnicos e religiosos violentos.

A maioria das religiões predominantes na região, sobretudo o Islã, é bastante tolerante com as religiões minoritárias, mais do que a tolerância do início de cristianismo em relação aos pagãos na Europa ocidental. Nesse sentido, é terrível assistir à turbulência que dividiu as religiões nas últimas décadas e a ameaça do aniquilamento de religiões mais fracas e obscuras. Este livro enfatiza alguns tópicos, em especial o destino da seita dos yazidis, uma seita pré-islâmica que associa elementos do judaísmo, islamismo, zoroatrismo e cristianismo, a qual o autor dedica um capítulo inteiro fascinante.

Gerard Russell é um católico de origem anglo-americana que fala árabe, persa e um pouco de dari ou afegão persa. Ele cursou humanidades, língua e literatura clássicas, e filosofia em Oxford e trabalhou 14 anos como diplomata no Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido e nas Nações Unidas, principalmente no Oriente Médio. Russell viveu em Bagdá, Cairo, Jedá, Jerusalém e Cabul. Conheceu nesses lugares uma quantidade impressionante de minorias étnico-religiosas como os drusos no Líbano; os alauitas, sobretudo na Síria; os mandeus nas regiões pantanosas do Iraque; o povo kalash que vive na cordilheira Hindu Kush no extremo norte do Paquistão; os zoroastristas, antes mais numerosos no Irã; os samaritanos (seguidores de uma versão da religião hebraica), que vivem na Cisjordânia; os já citados yazidis do norte do Iraque; e por fim os coptas no Egito.

Gerard Russell descreve e explica a rede intrincada de costumes e crenças que conectam esses grupos étnico-religiosos, mesmo que alguns deles, sobretudo os drusos e os alauitas, se fechem em uma aura de mistério, que Russell, em suas viagens corajosas pelas montanhas e pântanos do Oriente Médio conseguiu em grande parte desvendar.

Fontes:
The Economist-Not just the faiths of Abraham

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *