Início » Internacional » Assange pede aos EUA fim da ‘caça às bruxas’
WikiLeaks

Assange pede aos EUA fim da ‘caça às bruxas’

Fundador do WikiLeaks, que está refugiado na embaixada do Equador em Londres, apareceu em público pela primeira vez em dois meses

Assange pede aos EUA fim da ‘caça às bruxas’
Julian Assange fez um discurso da sacada da embaixada do Equador (Fonte: Reprodução/AP)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Após dois meses sem aparecer em público, o fundador do polêmico site WikiLeaks, Julian Assange, fez um discurso neste domingo, 19, da sacada da embaixada do Equador em Londres, no qual agradeceu o governo equatoriano pelo asilo político e desafiou os EUA.

Leia também: Caso Assange gera impasse diplomático

“Peço ao presidente Obama que faça o correto, que os EUA devem renunciar a caça às bruxas sobre o WikiLeaks”, disse Assange durante seu discurso, que durou cerca de dez minutos.

Assange, que não chegou a sair da embaixada por causa do risco de ser detido pela polícia britânica, pediu também que os EUA acabem com a perseguição à mídia e às pessoas que vazaram documentos oficiais, solicitando que o soldado Bradley Manning, que supostamente vazou documentos confidenciais do governo norte-americano para o site, seja libertado.

Assange agradece Rafael Correa pela coragem

O fundador do WikiLeaks agradeceu o apoio do governo equatoriano e de todos os seus seguidores, ressaltando que a presença deles e da imprensa inibiu uma tentativa da polícia britânica de entrar na embaixada do Equador na última quarta-feira, 15. “Agradeço a esta corajosa nação latino-americana e ao presidente [Rafael] Correa pela coragem, e em especial ao Ricardo Patiño [chanceler do Equador]”, disse.

Assange também citou os países da Organização dos Estados Americanos, pedindo que eles “defendam o direito ao asilo”. A defesa de Assange está aguardando “uma resposta formal” britânica ao pedido de salvo-conduto para que ele possa deixar o país.

O fundador do WikiLeaks está refugiado na embaixada equatoriana desde o dia 19 de junho. Assange tenta evitar sua extradição para a Suécia, onde é acusado de agressão sexual. Seu maior temor é a possibilidade de uma posterior extradição para os EUA, onde ele acredita que poderia ser condenado à morte.

Fontes:
G1 - Assange diz que EUA devem parar de ameaçar o WikiLeaks

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. renato vasconcellos disse:

    O pedido de refúgio ao Equador é bem interessante por ter um governo que persegue a imprensa. Isso vai criar um BODE. Tenho uma sensação de que ele vai para a Suécia, com o compromisso de não ser extraditado para os EUA, e a Inglaterra e o Equador se livram do BODE e ele vai para Suécia onde responde por crime comum.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *