Início » Internacional » ‘Emissário pessoal’ do Dalai Lama é afastado por suspeita de corrupção
POLÊMICA

‘Emissário pessoal’ do Dalai Lama é afastado por suspeita de corrupção

Empresário americano alega que Tenzin Dhonden o extorquiu entre 2005 e 2008

‘Emissário pessoal’ do Dalai Lama é afastado por suspeita de corrupção
Tenzin Dhonden trabalhou com Dalai Lama por mais de 15 anos (Foto: Reprodução)

O monge Tenzin Dhonden trabalhou com o Dalai Lama por mais de 15 anos. Ele se apresenta como “emissário pessoal para paz” do líder budista. Contudo, desde outubro, ele foi afastado de suas atividades como secretário e administrador da organização de caridade do Dalai Lama, a Dalai Lama Trust, por conta de acusações feitas por Daniel Kranzler, empresário e filantropo de Seattle. Segundo o executivo, o assessor o extorquiu entre 2005 e 2008.

O silêncio do Dalai Lama e das demais autoridades próximas ao líder terminou na última terça-feira, 24, quando um assessor de Dalai Lama confirmou a suspensão de Dhonden, em vigor desde 5 de outubro.

O empresário alega que Dhonden exigia pagamentos para garantir a presença de Dalai Lama num evento em Washington. Dhonden, por sua vez, nega a acusação. Ele está sendo representado por um grande escritório de advocacia de Nova York, o Patterson Belknap. A defesa alega que as acusações feitas por Kranzler são referentes a eventos que “aconteceram há quase uma década, são amplamente imprecisas e, de outra forma, se relacionam a conduta com uma conduta que não é ilegal, não anti-ética ou mesmo inapropriada”.

Kranzler diz que sofreu pressão por vários anos para fazer pagamentos (cheques, depósitos e até em dinheiro vivo) para o monge. O jornal Guardian teve acesso às cartas em que Kranzler denunciava o monge. A primeira das cartas foi endereçada ao próprio Dalai Lama.

No documento, o empresário contou que o monge ameaçou cancelar a viagem de Dalai Lama a Washington, para um evento que já havia sido confirmado, caso ele não recebesse pagamentos extras. Segundo o empresário, os valores somavam US$ 250 mil.

Segundo Kranzler, o monge também pediu que o empresário comprasse uma casa de US$ 850 mil. Fontes próximas de Dhoden, no entanto, dizem que o monge nunca possuiu tal imóvel.

De acordo com o assessor de Dalai Lama, o líder teria expressado “profundo desapontamento e preocupação” com as acusações.

Fontes:
The Guardian-Revealed: Dalai Lama’s ‘personal emissary’ suspended over corruption claims
O Globo-Emissário pessoal do Dalai Lama é afastado por corrupção

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Markut disse:

    Quer parecer que “a ocasião faz o ladrão” imbrica bem com o aforismo de Nietzsche: “O homem é a corda esticada sobre o abismo,entre o animal e o ser sublimado”.Nem o medo do castigo divino segura.
    Urge o “recall” da índole humana, a ser providenciado pelo Criador.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *