Início » Internacional » Ataque na Somália alerta para a resistência do al-Shabaab
MASSACRE EM MOGADÍSCIO

Ataque na Somália alerta para a resistência do al-Shabaab

Principal suspeito do ataque que matou mais de 300 na capital do país, o grupo terrorista somali vem perdendo força, mas segue uma ameaça

Ataque na Somália alerta para a resistência do al-Shabaab
De origem somali, o al-Shabaab tem ligações com a al-Qaeda (Foto: Twitter/Live From Mogadishu)

O massacre que abalou a capital somali Mogadíscio no último fim de semana alertou para a ameaça do grupo terrorista al-Shabaab. Embora não tenha assumido a autoria, o grupo é o principal suspeito de estar por trás da explosão de um caminhão-bomba em um bairro comercial da cidade no último sábado, 14. O ataque deixou pelo menos 300 mortos, mais de 200 feridos e cerca de 100 desaparecidos e já é considerado o pior da história da Somália.

O al-Shabaab, cujo nome significa a “a juventude”, é de origem somali e tem ligações com a al-Qaeda. O grupo promove atentados de guerrilha e operações suicidas. No ano passado, o grupo atacou um restaurante na costa da cidade de Mogadíscio. Terroristas armados invadiram o local com um carro carregado de explosivos. Depois, eles atiraram contra os clientes, deixando 20 mortos, incluindo crianças.

O grupo também atua no Quênia. Em 2013, por exemplo, terroristas do al-Shabaab invadiram o shopping de luxo Westgate, na capital queniana Nairóbi, fuzilaram clientes e detonaram granadas fazendo desabar três andares do prédio. Ao todo, 72 pessoas morreram no ataque.

Desde 2010, quando os EUA passaram a atacar as bases de comando do al-Shabaab, o grupo vem colecionando perdas de território e militantes. Seus membros, então, passaram a realizar ataques como uma forma de demonstrar força. Especialistas acreditam que o ataque ao Westgate, em 2013, foi uma forma desesperada do grupo de passar uma imagem de força e angariar novos membros. Os alvos eram os milhares somalis que vivem em Nairóbi. O grupo esperava que o ataque ao shopping desencadeasse uma onda de repressão contra os imigrantes somalis, que, revoltados, seriam alvos fáceis para a radicalização e para o recrutamento pelo grupo.

O al-Shabaab também costuma atacar forças apoiadas pelos Estados Unidos, como soldados da Missão da União Africana para a Somália (AMISOM), uma missão de paz no país que tem o apoio da União Africana e do Conselho de Segurança da ONU. Nos últimos anos, os ataques a soldados da missão aumentaram na mesma proporção que as perdas de territórios do al-Shabaab.

Segundo uma declaração dada na última segunda-feira, 16, pelo Pentágono, os EUA têm cerca de 400 soldados na Somália, metade deles em Mogadíscio. A missão das tropas é fornecer treinamento em operações militares e de inteligência para as forças somalis. Apesar dos avanços no combate ao grupo, o ataque do último fim de semana surpreendeu o Departamento de Estado americano ao mostrar que o grupo ainda é capaz de ataques de grandes proporções. “A magnitude desse ataque pegou todos de surpresa”, disse um funcionário do órgão, ao jornal Washington Post, em condição de anonimato. No entanto, a fonte disse que o episódio não muda o fato de que há progressos reais no combate ao al-Shabaab.

Em meio à discussão, os cidadãos de Mogadíscio tentam superar a tragédia e sonham com dias melhores. É o caso de Mohamed Hassan, um coveiro que trabalha no cemitério de Barakat, na periferia da capital.  Em entrevista à rede Al Jazeera, Hassan afirmou nunca, nem mesmo durante a guerra civil do país, ter enterrado tantos corpos no mesmo dia, em alguns casos apenas partes de corpos.

“Meus colegas também disseram a mesma coisa. Não sei quantos eles enterraram, mas estamos trabalhando sem parar desde a noite de sábado. […] Quando se trabalha como coveiro, você pensa que já viu de tudo e que nada mais vai te incomodar. Mas falar sobre o que eu vi me traz lágrimas aos olhos, me deixa muito triste. Espero nunca ter de ver nada parecido com isso de novo”, disse Hassan.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *