Início » Internacional » Ataques deixam mais de 45 mortos no Afeganistão
TENSÃO ELEVADA

Ataques deixam mais de 45 mortos no Afeganistão

Talibã assumiu autoria dos dois ataques. Tensão aumenta à medida que eleições presidenciais se aproximam

Ataques deixam mais de 45 mortos no Afeganistão
Pelo menos 70 pessoas ficaram feridas em explosões (Foto: General Salangi/Twitter)

Dois atentados deixaram pelo menos 46 mortos e 70 feridos no Afeganistão nesta terça-feira, 17. Os ataques foram reivindicados pelo Talibã, que pressiona as autoridades à medida que as eleições presidenciais se aproximam.

O primeiro ataque ocorreu na província de Parwan, a cerca de 50 quilômetros da capital Cabul. O presidente afegão, Ashraf Ghani, realizava um comício no local, buscando reforçar sua base eleitoral para o pleito presidencial, previsto para o próximo dia 28 de setembro. O presidente estava a cerca de 800 metros do local da explosão e não ficou ferido.

O atentado ocorreu próximo ao primeiro portão de entrada, onde procedimentos de segurança eram realizados. Um homem-bomba em uma motocicleta explodiu, causando a morte de pelo menos 26 pessoas, além de deixar 32 feridos. Segundo o chefe do hospital de Parwan, Abdul Qasim Sangin, há crianças entre as vítimas.

O segundo ataque ocorreu na capital Cabul, em frente ao Ministério da Defesa, na estrada que leva à Embaixada dos Estados Unidos, localizada na chamada “zona verde”. Um bombardeio no local deixou pelo menos 20 mortos e 38 feridos. Ambos os atentados foram reivindicados pelo Talibã.

Zabibullah Mujahid, porta-voz do Talibã, afirmou que o grupo havia alertado os afegãos para não participarem de comícios ou outros eventos com fins eleitorais, pois se tratavam de “alvos militares”. “Realizamos esse ataque enquanto um falso comício eleitoral estava em andamento”, afirmou
Mujahid, através do WhatsApp, segundo noticiou o New York Times.

A tensão no Afeganistão aumentou depois que, no início de setembro, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, suspendeu as negociações de paz com o Talibã. A esperança do grupo era que as negociações adiassem as eleições presidenciais. No entanto, com a suspensão, as ações do Talibã indicam uma escalada de violência que põe em risco o pleito presidencial.

Pelas redes sociais, o presidente Ashraf Ghani condenou os atentados comandados pelo Talibã, categorizando o grupo como um “inimigo covarde”. “Ofereço minhas sinceras condolências às vítimas das tragédias de hoje em Cabul e Parwan e oro pela rápida recuperação daqueles que foram feridos. Estamos unidos nesta hora de luto”, escreveu o chefe de Estado.

A Missão de Assistência da Organização das Nações Unidas (ONU) no Afeganistão (Unama) também usou as redes sociais para condenar o atentado ocorrido em Parwan. A entidade afirmou que o ataque mostrou um “descabido desprezo pela vida civil e direito humano fundamental de participar do processo democrático”. “Tais ataques, com dezenas de vítimas civis, são uma violação do direito internacional”, afirmou a Unama.

De acordo com a rede de notícias Al Jazeera, 3.932 pessoas morreram e 6.162 ficaram feridas em ataques terroristas no Afeganistão desde 2016. As vítimas foram registradas em 256 atentados.

Leia também: Governo afegão matou mais civis do que o Talibã em 2019

Fontes:
The New York Times-Blast at Rally for Afghan President Ashraf Ghani Kills at Least 26
Al Jazeera-Ghani 'unhurt' as blast kills dozens at Afghan president's rally

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *