Início » Internacional » Ataques na Síria mataram mais de 100 civis nos últimos dez dias
GUERRA NA SÍRIA

Ataques na Síria mataram mais de 100 civis nos últimos dez dias

Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU alertou para a falta de atenção internacional para os sangrentos confrontos na Síria

Ataques na Síria mataram mais de 100 civis nos últimos dez dias
Pelo menos 450 civis foram mortos nos últimos três meses (Foto: SyriaCivilDef/Twitter)

Pelo menos 103 pessoas morreram em diferentes ataques promovidos pelo governo sírio no noroeste da Síria nos últimos dez dias. Entre os mortos, pelo menos 26 eram crianças.

Os dados foram revelados nesta sexta-feira, 26, pelo Escritório da Alta Comissária de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU), Michelle Bachelet.

Os constantes ataques do governo sírio acontecem desde o fim de abril, com o apoio da Rússia. Isso porque a área é a última ocupada por rebeldes ao presidente Bashar al-Assad, do grupo conhecido como Hay’et Tahrir al-Sham, considerado a Al Qaeda da Síria.

Desde que os ataques se intensificaram na região, centenas de civis foram mortos pelo governo sírio. A estimativa do Escritório de Direitos Humanos da ONU é que pelo menos 450 civis tenham morrido devido aos ataques. Já o Observatório Sírio para os Direitos Humanos, localizado no Reino Unido, estima o número em 730 mortes de civis.

“Várias centenas de milhares de crianças, mulheres e homens foram mortos na Síria desde 2011. […] Tantos que já não é possível dar uma estimativa credível. Durante os primeiros anos desse conflito assassino, quando as baixas foram de dezenas, depois centenas, depois milhares, o mundo mostrou uma preocupação considerável com o que estava acontecendo”, destacou Bachelet.

O governo sírio alega que está avançando contra o local para responder a violações de um cessar-fogo com a oposição. Devido aos ataques, mais de 400 mil pessoas já ficaram desalojadas nos últimos três meses. O noroeste da Síria, composto principalmente por Idlib e a zona rural de Alepo, é lar de quase 3 milhões de pessoas, das quais quase metade já ficaram desalojadas.

A Alta Comissária de Direitos Humanos condenou a recente escalada de ataques do governo sírio e aliados contra os civis. Conforme destacou Bachelet, no comunicado, é “altamente improvável” que as estruturas civis, como instalações médicas, escolas e comércio, estejam sendo atingidas constantemente por acidente.

“Ataques intencionais contra civis são crimes de guerra, e aqueles que os ordenaram ou executaram são criminalmente responsáveis ​​por suas ações. […] Idlib e áreas vizinhas estão testemunhando uma grave escalada militar com graves consequências aos direitos humanos e humanitárias para os milhões de civis que tentam sobreviver lá”, afirmou a Alta Comissária.

De acordo com a ONU, o pior dos atentados dos últimos dez dias foi registrado na última segunda-feira, 22, quando 40 civis morreram e dezenas ficaram feridos depois de um ataque aéreo no sul de Idlib.

No comunicado divulgado pelo Escritório de Direitos Humanos, Bachelet mostrou preocupação com a falta de atenção internacional com a situação na Síria. A Alta Comissária destacou que, no início da escalada de violações aos direitos humanos no país, o mundo se atentava aos acontecimentos, mas que isso ficou no passado.

“Os ataques aéreos matam e mutilam um número significativo de civis várias vezes por semana, e a resposta parece ser um encolhimento coletivo, com o Conselho de Segurança paralisado pelo fracasso persistente de seus cinco membros permanentes [Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido e França] em concordar em usar seu poder e influência para cessar a luta e a matança de uma vez por todas”, apontou Bachelet.

Leia também: Por que Trump decidiu retirar os EUA da Síria?

Fontes:
Al Jazeera-More than 100 killed in Syria air raids in past 10 days, UN says

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *