Início » Vida » Comportamento » Ateísmo: descrença crescente
religião

Ateísmo: descrença crescente

Número de pessoas que se declaram ateias nos EUA quintuplicou nos últimos sete anos; no Brasil, contingente de ateus também aumentou

Ateísmo: descrença crescente
Nos EUA, número de pessoas que se dizem religiosas caiu 60% (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os EUA não são um lugar amigável para ateus. A religião impregna a esfera pública, e estudos mostram que se desconfia mais de ateus do que de outras minorias. Vários estados ainda proíbem que ateus ocupem cargos públicos. Essas regras, que são inconstitucionais, raramente são postas em prática. Mais de 40% dos norte-americanos afirmam que nunca votariam em um ateu candidato à presidência.

No entanto, o número de pessoas que se declaram ateias nos EUA quintuplicou nos últimos sete anos para 5% da população, de acordo com a WIN-Gallup International, uma rede de pesquisadores. Enquanto isso, a proporção de norte-americanos que se dizem religiosos caiu de 73% em 2005 para 60% em 2011. No Brasil, também aumentou o número de pessoas que declaram não ter religião, incluindo os ateus. Pelos dados do IBGE, atualmente esse contingente representa 7,3% da população, contra 1% nos anos 1970.

Uma queda tão grande no número de norte-americanos que se consideram religiosos é impressionante, mas os dados a respeito dos ateus está alinhado ao de outros pesquisas. Uma pesquisa da Pew em 2009 também constatou que 5% dos norte-americanos não acreditavam em Deus, mas apenas um quarto desses se considerava ateu. Portanto, é possível que a pesquisa mais recente simplesmente mostre um aumento naqueles dispostos a se denominaram ateus.

Essa mudança pode ter ocorrido devido a um movimento informal de descrentes conhecido como “Novo Ateísmo”. Ao longo dos últimos oito anos, autores como Richard Dawkins e o finado Cristopher Hitchens atacaram as religiões em livros que se tornaram best-sellers, fazendo um uso convincente de conhecimentos lógicos e científicos. Dawkins, um biólogo britânico, particularmente encorajou as pessoas a declararem a sua descrença.

Fontes:
The Economist-Growing disbelief

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

6 Opiniões

  1. Ezequiel Domingues dos Santos disse:

    É Lastimável !, não existe nenhuma tribo,comunidade ou nação em que não houvesse a religião, todas as nações foram criados com bases religiosas, quem quiser ateu tem claro essa liberdade, agora, haver militância ateísta é uma coisa estranha pra não se dizer patética.

    Ezequiel

  2. Luiz Mourão disse:

    Como estamos em 2012, e não mais em 1012, quando religião era IMPOSTA pelo estamento religioso e estatal, não mais faz sentido apenas CRER em livros e “pensadores” defensores de deuses e seus filhos…
    Neste Milênio de Luzes do CONHECIMENTO, o que importa são as ATITUDES DE BEM, e ATEUS (para diferençar de ateus…) são exemplos de boa conduta e utilidade aos demais…
    Se religião fosse tudo o que se auto-proclama ser, não deveríamos, depois de SÉCULOS de sua existência, ter um planeta paradisíaco?????
    Para onde se olhe, vemos religião corroendo a sociedade por dentro e estimulando comportamentos irresponsáveis; ter um “salvados”, que será nosso defensor perante algum deus, é uma forma direta de estimular IRRESPONSABILIDADE de atitudes; mas, felizmente, temos as LEIS HUMANAS, que são o que importa na Realidade…
    Os livros ditos sagrados são pródigos em demonizar os ímpios (ATEUS são assim considerados, bastando ver o tal salmo 14 da bíblia) desconsiderando por completo que fé religiosa NÃO é garantia de Moral nem de Ética no agir; o mundo, predominantemente religioso, aí está para PROVAR isso!!

  3. sanna disse:

    não sou nada contra quem e ateu, mas quem não tem temor a Deus eu não confio eu conheço pessoas assim, são frias não importam com as pessoas so com quem elas tem são extremamentes materialistas.

  4. Magda disse:

    Eu não acredito no deus da Bíblia.
    Dizem que no princípio, Deus criou o homem e depois o homem criou Deus.
    Nem por isso me considero atéia, pois acredito num ser superior, uma energia inteligente e criadora da vida e do universo.
    E chamem-no do nome que quiserem.
    O homem criou deus segundo a sua imagem e semelhança. Vingativo, cruel, destruidor, que ora felicita, ora se arrepende e acima de tudo, de uma parcialidade surpreendente com os judeus. Puro ufanismo deísta, como se o resto da humanidade não fosse composto de filhos da mesma criação.
    Tenho alguns amigos que se afirmam ateus, mas nunca fizeram um estudo aprofundado nas diversas doutrinas ou filosofias. Apenas negam pelo simples fato de negar. Isso para mim não é argumento, não vale nem tem o menor sentido.
    São na maioria adeptos do comunismo, do PCdoB e do PT. Materialistas por excelência.
    Acreditam que existe uma só vida. Morreu… acabou!
    Eu os respeito, pois eles também respeitam o meu modo de ver a vida, imortal.
    Agora… fazer proselitismo ateu é coisa igual das Testemunhas de Jeová.
    Eu é que não perco meu tempo nessas discussões inúteis e inférteis, pois não levam a nada.
    Galileu Galilei foi obrigado a ajoelhar-se diante dos inquisidores e a negar todos os seus estudos sobre o heliocentrismo.
    Ele simplesmente sacou que humanidade da época ainda não estava preparada para digerir essa verdade, que mais tarde seria conhecida e aceita.
    Alguém, nos dias de hoje ainda tem dúvidas?
    Eu já matei esse deus mitológico da Bíblia, muito bem mortinho.
    Mas fico na minha, em respeito à liberdade de crença das pessoas.

    Fui!

  5. Franco disse:

    O problema é que algum mal intencionado juntou dois conceitos que poderiam muito bem ser entendidos de maneira separada: Deus – Religião. Quem não gosta das Religiões não precisaria ser necessariamente Ateu, como acontece desde a Idade-Média.

  6. Carlos Cares Ribeiro disse:

    O livre arbítrio nos foi dado para isso, para fazermos o que bem entendermos e acreditar em algo que vale a pena é uma opção e não uma obrigação.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *