Início » Cultura » Esportes » Atleta paralímpica já tem documentação para eutanásia
DIREITO DE MORRER

Atleta paralímpica já tem documentação para eutanásia

Jogos no Rio serão o último desafio esportivo da belga Marieke Vervoort

Atleta paralímpica já tem documentação para eutanásia
Nos Jogos do Rio, ela vai disputar os 100 e 400 m (Foto: Facebook/ Wielemie - Marieke Vervoort)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A atleta belga Marieke Vervoort, de 37 anos, espera conseguir uma nova medalha nos Jogos Paralímpicos do Rio. Afinal de contas, ela anunciou que este será seu último desafio esportivo. Diagnosticada com uma doença degenerativa incurável, ela perdeu os movimentos da metade inferior do corpo. No entanto, quem vê a atleta sorridente nas pistas, não imagina como sua vida é marcada por dores insuportáveis. A atleta já tem um documento com sua assinatura que autoriza um médico a aplicá-la uma injeção letal para acabar com sua vida quando desejar.

A Bélgica é o país com as leis mais permissivas sobre a eutanásia do mundo. Até menores de idade podem optar pela morte assistida se tiverem consentimento dos pais e um relatório psiquiátrico que legitimem a decisão. No entanto, este não é um trâmite administrativo rápido. Marieke precisou convencer um psiquiatra de que sua decisão não tinha relação com um estado de espírito momentâneo, além de precisar provar a três médicos diferentes que suas dores são tão intensas que ninguém conseguiria viver com elas e que não existe nenhuma esperança para sua melhora.

Tudo começou com uma dolorosa inflamação em um pé aos 14 anos, problema que passou para os joelhos. Aos 20 anos, ela já dependia de uma cadeira de rodas para se locomover. A campeã dos 100 metros livres nos Jogos de Londres 2012 tem dores tão fortes que não consegue dormir em algumas noites. Como ela mora na cidade de Diest, um casal amigo a leva três dias por semana até Lovaina, 30 quilômetros de onde vive, porque é lá que seu treinador a espera. Rudi Voels, de 52 anos, é um dos técnicos mais respeitados da Bélgica e foi responsável pela equipe de revezamento que ganhou medalha em Pequim 2008. Marieke é a única atleta paralímpica sob sua responsabilidade. “Nunca quer perder um treinamento. Às vezes vem com muita dor e a obrigo a voltar para casa”, conta Voels. Como complemento ao treinamento na pista, ela passa três dias por semana na academia.

Nos Jogos do Rio, ela vai disputar os 100 e 400 m. Para a viagem, ela terá de trazer quase vinte medicamentos diferentes. E sim, ela também se submete a exames das autoridades antidoping.

Como vive sozinha com seu cachorro, uma enfermeira a visita quatro vezes por dia. Ela avalia sua saúde, a acompanha ao banheiro e a ajuda a trocar de roupas. Em caso de ataque epilético e dor insuportável, Marieke só precisa apertar um botão para que alguém venha ajudá-la a qualquer hora.

Ela já praticava esportes antes de seu problema de saúde, mas a perda da mobilidade na parte inferior do corpo acelerou sua dedicação. Começou com basquete de cadeiras de rodas e o triatlo até chegar no atletismo.

Engana-se quem acha que tentam fazer a cabeça de Marieke para que ela desista da eutanásia. Sua família, seus amigos e seu treinador aceitam sua decisão. “Quando quiser posso pegar meus documentos e dizer basta! Quero morrer. Isso me tranquiliza quando tenho muita dor. Não quero viver como um vegetal.”

“As pessoas sempre me veem sorrindo e praticando esportes, mas não é o que acontece quando estou em casa.” Quando a hora chegar, ela espera que seus pais e amigos tenham forças para estar ao seu lado na cama. Deixou uma carta para que leiam quando ela se for e quer um ato alegre, com músicos. Depois deseja ser cremada. “Quero que lancem minhas cinzas em Lanzarote, onde a lava se une com o mar. Um lugar que me transmite paz e tranquilidade. Quero terminar ali.”

 

Fontes:
El País-Dos Jogos do Rio à eutanásia: a última disputa de Marieke Vervoort
RT-Marieke Vervoort, la atleta que ha decidido morir tras los juegos olímpicos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. alvaro disse:

    Ela bem sabe que não termina nunca a sua existência. Continue com sua vida e seja faça seus familiares felizes vivendo o tempo que deus permitiu você viver.

  2. Roberto1776 disse:

    Que bom que ela vive em um país que respeita a vontade do indivíduo. Como é fácil, para quem está fora do problema, dar opiniões religiosas, como se um eventual criador se divertisse com a dor de sua criatura. Tal ideia beira às raias da total insanidade mental.

  3. Beraldo disse:

    A eutanásia é uma prerrogativa dada pelo Criador ao ser humano.

    Incontestável!

    “Pimenta nos olhos dos outros é refresco”.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *