Início » Economia » Aumenta a pobreza em Buenos Aires
Inflação

Aumenta a pobreza em Buenos Aires

Consultorias privadas e órgãos internacionais contestam números da inflação e da pobreza na Argentina

Aumenta a pobreza em Buenos Aires
Favela Villa 31, em Buenos Aires (Fonte: Reprodução/O Globo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A alta taxa de inflação na Argentina vem causando um impacto direto nas classes menos favorecidas do país. Nas grandes cidades, incluindo a capital Buenos Aires, é visível o aumento do número de mendigos nas ruas e da população das favelas.

Leia também: Governo de Cristina Kirchner enfrenta greve geral
Leia também: ‘Panelaço’ contra Cristina Kirchner mobiliza Argentina
Leia também: Turismo de compras em Buenos Aires começa a decair

Consultorias privadas e órgãos internacionais, incluindo o FMI, contestam os números da inflação e da pobreza na Argentina, que são oficialmente calculadas pelo Indec, instituto sob intervenção do governo da presidente Cristina Kirchner.

Planos assistenciais intimidam

Enquanto o Indec diz que a inflação argentina é de 9% ao ano e que a taxa de pobres é de 6,5%, consultorias privadas apontam para uma taxa de inflação de 25%. A Universidade Católica Argentina, que mantém um laboratório sobre pobreza, diz que a taxa de pobres é de 21,9%.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, um jornalista especializado em pobreza que vive em um bairro carente de Buenos Aires diz que a distribuição de planos assistenciais pelo governo argentino faz com que os beneficiários se intimidem de reclamar.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Pobreza cresce em Buenos Aires com aumento da inflação

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Carlos U. Pozzobon disse:

    Os beneficiários de planos assistenciais se intimidam de reclamar da situação do país? Mas será que se trata de uma questão do temperamento argentino? Ou os argentinos estão apenas seguindo o lulismo? Pelo que tenho visto dos mapas eleitorais brasileiros, onde as bolsas são mais distribuídas, as urnas são mais governistas. Que a compra de voto tenha sempre existido não surpreende. O que espanta é que o partido tenha sido fundado, lutado e chegado ao poder para lutar contra isso.

  2. helo disse:

    Alguns argentinos me disseram que todos na Argentina são peronistas, de centro, de esquerda ou de direita. Parece que não há oposição. Mais tágico impossível. Um país belo, alfabetizado, com as terras mais ricas do planeta porém com o populismo eterno no poder.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *