Início » Vida » Comportamento » Bancos de dados sobre saúde têm exercido um papel importante na medicina
Medicina

Bancos de dados sobre saúde têm exercido um papel importante na medicina

Médicos podem fazer perguntas a seus pacientes sobre seu estado de saúde por e-mail, mensagem de texto ou aplicativos de smartphone

Bancos de dados sobre saúde têm exercido um papel importante na medicina
O sistema é eficiente e os pacientes sentem-se confiantes (Reprodução/Wikipedia)

Em 2008 Jordan Shlain tratou de uma paciente idosa com pneumonia. Preocupado, deu o número do celular para a paciente, mas ela não o usou, seu estado se agravou e teve de ser internada na UTI. A partir desse caso, Shlain começou a fazer um acompanhamento mais constante dos pacientes, com um telefonema diário e uma planilha para anotar os dados. Certo dia, um paciente em um hospital em São Francisco comentou, “Você deveria transformar essa planilha de dados em um software”. Jordan Shlain gostou da sugestão e fundou a empresa Healthloop, um serviço de computação em nuvem que mantém os médicos, pacientes e profissionais da área de saúde em contato entre as visitas. No início deste ano o hospital e centro de pesquisa Cedars-Sinai Health System, com sede em Los Angeles, adotou o sistema de acompanhamento médico desenvolvido pela Healthloop.

Os médicos podem usar a Healthloop para saber notícias e fazer perguntas a seus pacientes sobre seu estado de saúde por e-mail, mensagem de texto ou aplicativos de smartphone. O software detecta automaticamente quando é necessária a presença de um médico ou de uma enfermeira. É um sistema eficiente e os pacientes sentem-se confiantes.

Atualmente, os bancos de dados sobre saúde têm exercido um papel importante na medicina, mas existe uma tendência de criar bases de dados gigantescas com registros de genomas, saúde da população e tratamentos para descobrir novas informações no campo da medicina. Porém as bases de dados menores, que reúnem e processam quantidades pequenas de informações sobre um paciente, são muito úteis para melhorar os tratamentos e os resultados.

Fontes:
The Economist-Bedside manners

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *