Início » Internacional » Bélgica é ‘um viveiro do terrorismo islamita’ na Europa, diz especialista
jihadistas

Bélgica é ‘um viveiro do terrorismo islamita’ na Europa, diz especialista

País foi citado em investigações como um local de residência, compra de armas e alvo para grupos islamitas

Bélgica é ‘um viveiro do terrorismo islamita’ na Europa, diz especialista
Agentes investigam mortes em operação antiterrorismo em Verviers, na Bélgica (Fonte: Reprodução/Reuters)

A Bélgica é considerada atualmente “um viveiro do terrorismo islamita” na Europa, segundo Claude Moniquet, codiretor do Centro de Segurança e Inteligência de Estratégia Europeu.

O especialista, que também citou a Grã-Bretanha, a região francesa de Ródano e de Roubaix-Tourcoing, e os subúrbios de Paris, ressaltou que a Bélgica é “um centro essencial”, “mas não é o único da Europa”.

Com 11 milhões de habitantes, a Bélgica é o país europeu com maior proporção de jihadistas na Síria e no Iraque. De acordo com o ministro belga do Interior, 440 cidadãos do país se uniram a grupos extremistas nos últimos meses. Deste total, 260 continuam ativos, 60 morreram e 120 retornaram ao país.

Em meio a uma série de atentados relacionados ao islã radical nos últimos meses na Europa, a Bélgica foi citada em diversas investigações como um local de residência, compra de armas e alvo para os grupos islamitas.

A mídia belga afirma que parte do arsenal usado nos ataques contra o jornal satírico Charlie Hebdo e contra um supermercado judaico em Paris foi comprado em Bruxelas.

O procurador federal belga Frédéric Van Leeuw diz que, em 2015, abriu “mais investigações vinculadas com terrorismo do que em todo ano de 2014, e se tratava de um ano recorde, com 195 investigações”.

Fontes:
Veja - Bélgica é maior 'criadouro do terrorismo islamita' na Europa

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Jamais confie em um muçulmano. O objetivo dele é cumprir com o mandamento mais importante de sua religião: MORTE AOS INFIÉIS. E os belgas não sabiam disso.
    Pode? Nem dá para acreditar. Tão cultos e tão “naïfs”.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *