Início » Internacional » Boko Haram jura lealdade ao Estado Islâmico e gera incertezas
Aliança macabra

Boko Haram jura lealdade ao Estado Islâmico e gera incertezas

Grupo radical islâmico baseado na Nigéria é a maior organização terrorista até agora a prometer fidelidade ao Estado Islâmico

Boko Haram jura lealdade ao Estado Islâmico e gera incertezas
Mensagem de áudio no Twitter foi atribuída ao líder do Boko Haram, Abubakar Shekau (ao centro) (Reprodução/Internet)

O grupo terrorista nigeriano Boko Haram jurou lealdade ao Estado Islâmico (Isis) em uma mensagem de áudio postada no Twitter, supostamente pelo líder do grupo, Abubakar Shekau, neste fim de semana. O Boko Haram, que tem cerca de 6 mil insurgentes ocupando territórios no nordeste da Nigéria, é a maior organização terrorista até agora a se aliar ao Isis.

Leia também: Iraque pede ataque aéreo contra Estado Islâmico

O efeito prático desta declaração de fidelidade ainda é incerto, mas alguns especialistas acreditam que trata-se de um juramento de ligação espiritual que indica que o grupo  nigeriano concordou em aceitar a autoridade do Estado Islâmico.

Poucas horas depois da divulgação do áudio, o governo da Nigéria pediu ajuda internacional para combater a insurgência. No domingo, 8, os governos do Chade e de Níger responderam com uma operação conjunta contra os militantes na Nigéria.

O Boko Haram iniciou uma campanha militar para impor a lei islâmica no norte da Nigéria em 2009. O conflito, desde então, se espalhou para países vizinhos. Nos meses recentes, o Boko Haram tem expandido suas incursões transfronteiriças em Camarões, Chade e Níger.

Os seguidores do “califa”

O Boko Haram é apenas o último de uma séria de grupos a jurar fidelidade ao Isis, que domina territórios no leste da Síria e em várias regiões do Iraque. Acredita-se que o Boko Haram já teve ligações com a Al Qaeda também.

O Isis tem como objetivo estabelecer um califado, um Estado governado por um único líder político e religioso segundo a lei islâmica. Seu líder, Abu Bakr al-Baghdadi, é conhecido por seus seguidores como “califa Ibrahim”.

Na mensagem de áudio postada no Twitter no sábado, 7, o líder do Boko Haram supostamente diz: “Nós anunciamos nossa fidelidade ao califa… vamos ouvir e obedecer em momentos de dificuldade e prosperidade. Apelamos a todos os muçulmanos a jurar lealdade ao califa.”

Fontes:
The New York Times - Boko Haram Generates Uncertainty With Pledge of Allegiance to Islamic State
Reuters - Chad, Niger launch joint offensive against Boko Haram in Nigeria

1 Opinião

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    Estão apenas querendo conseguir mais recursos financeiros! O Estado Islâmico se financia vendendo petróleo bruto dos campos de extração que dominaram (tem quem compre!), de contrabando, de financiamento externo dos ‘simpatizantes’ (eles existem!…) e até da venda de órgãos humanos, extraídos de suas vítimas, conforme denúncias (sim, também tem quem compre isso!…). Mas, e Boko Haram, eles têm o quê?, lá nos cafundós da Nigéria (apesar que o país também produz petróleo, mas é na região do Delta do Níger…)
    Não duvido que os insanos do Estado Islâmico sintam até desprezo pelos militantes do Boko Haram, por maior que seja a ‘identidade ideológica’ dos dois grupos, pois são completamente diferentes em etnia e herança cultural. Não seria de surpreender se eles (do Estado Islâmico) vissem os integrantes do Boko Haram como ‘muçulmanos de segunda classe’, ou até mesmo escravos (não diz o Estado Islâmico querer impor a Sharia, e que a “escravidão estaria baseado em preceitos religiosos”?! Então!…)

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *