Início » Vida » Ciência » Cai o número de gestações múltiplas no Reino Unido
Fertilização 'in vitro'

Cai o número de gestações múltiplas no Reino Unido

A diminuição do índice de gestações múltiplas em consequência da fertilização 'in vitro' é uma boa notícia

Cai o número de gestações múltiplas no Reino Unido
Um quinto dos tratamentos FIV bem-sucedidos na Grã-Bretanha resulta em nascimentos múltiplos (Reprodução/Internet)

A fertilização in vitro (FIV) aumenta as probabilidades de gestações múltiplas, porque diversos óvulos fertilizados, os pré-embriões, são colocados no útero da mulher para aumentar as chances de uma gravidez. Um quinto dos tratamentos FIV bem-sucedidos na Grã-Bretanha resulta em nascimentos múltiplos, em comparação ao percentual de 1% de gestações naturais.

O sucesso do FIV foi tão extraordinário depois do nascimento do primeiro bebê de proveta em 1978, que o índice de gestações múltiplas aumentou de 10% para cada mil fertilizações neste ano, para 16,4% em 2009. O número total de nascimentos múltiplos duplicou nesse período. No entanto, no caso de mulheres com mais de 35 anos o percentual aumentou para 600%.

Quando tudo corre bem, uma gestação múltipla pode ser uma boa notícia para mulheres com dificuldade de engravidar. Mas têm riscos sérios: a taxa de mortalidade infantil é cinco vezes maior do que em uma gravidez única. Portanto, o fato de as novas estatísticas terem demonstrado uma redução no número de gestações múltiplas é um sinal do avanço científico da medicina reprodutora.

A nova política adotada pela Human Fertilisation and Embryology Authority (HFEA), um órgão regulatório do Reino Unido, contribuiu significativamente para essa redução. Em 2009 a HFEA iniciou um programa de transferência seletiva de um único embrião (agora parte da estratégia de diminuição de nascimentos múltiplos), com o objetivo de reduzir as gestações múltiplas resultantes da fertilização in vitro de 27% em 2008 para 20%. Os últimos dados da HFEA datados de 2012 mostram que a taxa diminuiu para 18%. Mas a meta é atingir uma taxa de 10%.

Fontes:
The Economist-Oh, baby

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *