Início » Internacional » Califórnia, o bastião dos direitos dos gays nos EUA
ESTADOS UNIDOS

Califórnia, o bastião dos direitos dos gays nos EUA

Califórnia cria lista negra de estados que aprovaram projetos de lei discriminando homossexuais

Califórnia, o bastião dos direitos dos gays nos EUA
Tudo começou com um projeto de lei que tentou proibir que transgêneros tivessem livre escolha no uso de banheiros públicos (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

“Não seremos os primeiros a fazer uma mudança social”, disse Jim Gray, prefeito de Lexington, a segunda maior cidade do estado de Kentucky.“Mas, ao longo do tempo, nos adaptaremos.” Gray, um empresário bem-sucedido, que ganhou aplausos por suas ideias liberais raras em Kentucky, é o primeiro político homossexual eleito para um cargo público no estado. No entanto, uma nova medida da Califórnia contra Kentucky e outros sete estados republicanos, sugere que a transição não será tão suave como ele descreveu.

Em 22 de junho, o procurador-geral da Califórnia, Xavier Becerra, anunciou que acrescentara Alabama, Kentucky, Dakota do Sul e Texas a uma lista negra de estados que haviam aprovado projetos de lei discriminando homossexuais. De acordo com uma lei estadual aprovada há pouco tempo, a Califórnia só pagará os custos de viagens essenciais de funcionários do governo a esses estados, além de Kansas, Mississippi, Carolina do Norte e Tennessee. A maioria deles aprovou leis proibindo os gays de adotar crianças. O governo republicano de Kentucky, por sua vez, aprovou uma lei de “liberdade religiosa”, que permite aos alunos excluírem os homossexuais dos clubes cristãos da faculdade.

A lei estadual da Califórnia foi uma reação a um projeto de lei da Carolina do Norte aprovado no ano passado, com o intuito de proibir que transgêneros tivessem livre escolha no uso de banheiros públicos. O projeto de lei foi revisto depois que os investidores começaram a boicotar o estado.

O governador do Kentucky, Matt Bevin, que assinou a “lei de liberdade religiosa”, minimizou o efeito da sanção da Califórnia. “É apenas uma piada”, disse. Mas Gray e Greg Fischer, prefeito de Louisville, a maior cidade de Kentucky, discordam do governador. Em 29 de junho, Fischer anunciou que duas convenções de negócios que seriam realizadas em Louisville tinham sido canceladas devido à proibição de viagem. Segundo Fischer, a cidade teria um prejuízo estimado em US$ 2 milhões com o cancelamento.

Assim como na Carolina do Norte no ano passado, a controvérsia mostra a crescente tensão entre dois importantes grupos eleitorais republicanos, empresas e conservadores, cujos pontos de vista são cada vez mais rejeitados ​​nos centros urbanos onde os negócios prosperam. A reação de Louisville e Lexington contra o conservadorismo das demais cidades de Kentucky é outro indicador da dissonância entre a região urbana e rural.

Porém, esse contraste político também significa más notícias para os democratas. O Partido Democrata tem de mostrar mais clareza em relação aos seus valores liberais. A posição da Califórnia, apesar de bem-intencionada, revela um autoritarismo incompatível com esses valores e não ajudará o partido a conquistar eleitores.

Fontes:
The Economist-California mounts an offensive in the bathroom wars

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Lucinda Telles disse:

    Nos países onde andei os gays tem os mesmos direitos que qualquer pessoa, o problema é que eles não querem ser qualquer pessoa, eles querem ser uma categoria especial de seres humanos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *