Início » Economia » Canal do Panamá tornará a revolucionar o comércio global
EXPANSÃO CONCLUÍDA

Canal do Panamá tornará a revolucionar o comércio global

Expansão permitirá a passagem de navios maiores e coincide com o aumento na produção e exportação de gás natural nos EUA

Canal do Panamá tornará a revolucionar o comércio global
Canal será capaz de comportar os grandes navios usados para exportar GNL (Foto: Flickr/Roger W)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um século após revolucionar o comércio global, o Canal do Panamá está prestes a iniciar uma nova etapa nas transações comerciais internacionais.

Após uma obra que durou nove anos e custou US$ 5 bilhões, o canal está pronto para inaugurar as novas eclusas que reduzirão o tempo de passagem dos navios e permitirão a passagem de embarcações maiores.

As novas eclusas entrarão em operação em junho deste ano. A expansão coincide com o aumento na produção e exportação de gás natural nos EUA. Agora, o canal será capaz de comportar os grandes navios usados para exportar gás natural liquefeito (GNL), reduzindo em 11 dias e em um terço o tempo e o custo necessários para fazer a antiga rota pelo Pacífico.

Contudo, a expansão não resolverá todos os problemas. Mesmo triplicando a capacidade de receber navios maiores, o canal ainda não conseguirá comportar os maiores tipos de navios cargueiros e petroleiros. Além disso, o tráfego no canal dependerá do cenário econômico global.

Mas as obras foram cruciais. Se não ocorresse a expansão, o canal não seria capaz de comportar os navios cada vez maiores usados atualmente, o que faria o canal perder sua relevância como rota marítima.

Fontes:
Bloomberg-Panama Canal Fever Sweeps Globe Again as New Era in Trade Nears

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Markut disse:

    É de se perguntar se esse acontecimento importante, não refletiria também nas necessidades que são, para o Brasil, o contato comercial com o lado do Pacífico e os tigres asiáticos, no lugar da projetada ligação, por terra, cortando a Amazônia.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *