Início » Internacional » Capadócia
Conhecendo a Turquia 4

Capadócia

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Tinham nos dito que íamos pegar algum vôo regional, avião pequeno, mas para minha surpresa era um Airbus A321 de 200 passageiros. Xiii, pensei, este não é o que explodiu em Congonhas? Mas logo me lembrei de que a tragédia foi culpa da incompetência das autoridades, com a pista inadequada, talvez também da empresa por voar com o reverso inoperante, e não do avião em si.

O vôo de uma hora nos levou a uma cidade chamada Kayseri e uma viagemHotel na rocha - Capadócia de uma hora de carro nos deixou em Ürgüp, no leste da região. Nosso hotel (foto) já foi a primeira atração: escavado em rocha vulcânica, de cor clara, com paredes adicionais em alvenaria. Nosso quarto e banheiro tinham parede de rocha natural, sem qualquer cobertura.

O programa turístico é de um dia, em que se percorre diversos locais, num raio de uns 60 km do hotel. Eu pensava que a área era meio desértica mas vi belos campos de trigo sendo irrigados. Também se cultiva batatas e maçãs. A água para irrigação vem do subsolo e o abuso do uso da técnica está começando a causar problemas de contaminação do solo, como em todos os lugares onde se faz isso.

A cidade subterrânea


O primeiro lugar visitado, na cidade de Kaymakli, foi uma cidade subterrânea. As cidades subterrâneas foram completamente escavadas, não eram cavernas naturais, informou o guia, para que os habitantes da região pudessem se esconder de inimigos invasores, por exemplo os mongóis. Existem dezenas de cidades subterrâneas, cada uma com capacidade para cerca de mil pessoas. A capacidade total das cidades descobertas até agora era de 50 mil pessoas. Eles estocavam lá embaixo grande quantidade de água e comida que se conservassem bem, como frutas secas, queijo e pão seco. Muitas se comunicavam com outras por túneis, e além disso havia túneis que levavam a alçapões ocultos em algumas casas, de maneira a facilitar a comunicação com o exterior. Até agora, na Capadócia, foram descobertas cerca de 50 dessas cidades, estima-se que talvez ainda se descubram outras 50.

Os corredores de entrada são baixos, medindo talvez 1,60m, e lá dentro há passagens bem mais baixas, mesmo uma pessoa de 1,50 m precisa andar bem abaixada. O caminho é de mão única, a gente entra por um lado e sai pelo outro. Não dá para voltar atrás. Recomenda-se a pessoas de tamanho grande, ou que não gostem de lugares apertados, não descer além do segundo nível, o único que permite voltar. (Sempre ouvi o equivalente a respeito das pirâmides egípcias, e nunca entrei nelas). São cinco níveis de aposentos comunicando-se por escadinhas estreitas, em todos os níveis há espaços para armazenar alimentos. No segundo nível abaixo do solo tinha até uma igreja, tudo de tamanho pequeno. Entendo que cada cidade correspondia a um vilarejo. Existiam lugares apropriados para armazenar uvas e outros para fazer vinho. É muito impressionante.

Na saída dali, em direção à próxima visita, passamos em um local onde o motorista parou sugerindo que tirássemos fotos. Realmente tinha uma vista bonita do “Castelo”, um morro todo perfurado de casas que hoje em dia não são mais habitadas mas o foram por muitos séculos. “Por acaso” do outro lado da rua havia uma oficina e loja de jóias, e o guia disse que era melhor aproveitarmos para ir ao banheiro, pois não haveria outra tão cedo. Você é muito bem acolhido, vai ao banheiro, e ao sair é assediado para ter uma demonstração de como se trabalha uma pedra semipreciosa. As mulheres não resistem. O assédio seguinte, obviamente, é para comprar algo, sobre o que o guia levaria, sem dúvida, uma comissão. Não compramos nada.

Em seguida fomos ao vale de Goreme, tudo perto, nenhum local ficava a mais de meia hora do anterior. Goreme é um vale em que as pessoas moravam em casas escavadas na pedra, mas acima da superfície. Não se trata de um esconderijo, simplesmente de aproveitar aquelas estruturas que já estavam ali, semi-prontas, e escavar sua casinha. Na extremidade do vale havia um monastério (foto à direita), também todo escavado na rocha vulcânica. Vimos a cozinha, os refeitórios, tudo para uma comunidade religiosa de talvez 200 pessoas. E dez pequenas igrejas, cada uma com 20 a 30 metros quadrados, todas com coloridos afrescos, muito maltratados, nas paredes. Perguntamos por que dez igrejas pequenas e não uma sóConvento de bom tamanho, e a resposta foi que na comunidade ortodoxa havia sub-grupos, os seguidores de um padre não queriam se misturar com a turma dos outros. Tudo isso parece ser do século X, como as cidades subterrâneas, tempo em que toda a região pertencia a Bizâncio, ou o Império Romano do Oriente.

Em Goreme, entre o estacionamento e a entrada do “Museu ao ar livre” que abriga o descrito acima, vários banheiros, em profusão. Ficava óbvia a mentira do guia para nos levar a entrar na loja de jóias.

Ainda demos algumas voltas de carro, fotografando mais casas na rocha ou o impressionante conjunto de cones de rocha que parecem desenhados pelo homem (foto abaixo). Conseguimos convencer o guia de que já havíamoFormações geológicas - Capadócias visto rochas e igrejas suficientes, e chegamos ao hotel cansados mas felizes. Um detalhe: de noite, e no interior da cidade subterrânea, faz um frio razoável, pede um casaco. De dia, sob um sol de montanha (mil metros de altitude) infernal, e no sol, o calor é de matar. E isso foi em abril, bem antes do verão. Notamos que nosso quarto no hotel não tinha ar condicionado, e não sentimos falta. Mas tinha um senhor aquecedor no quarto e outro no banheiro. No inverno deve ser muito frio. Acabamos achando que a região deveria ser visitada em tempo mais frio. Seria uma tentação sair do ar condicionado do carro e errar entre as pedras, tirando fotos de perto, tentando subir em algumas, mas não nesse calor.

Comentário final: o “Pacote turístico”


Nossa agência de viagem não tinha experiência de viagens na Turquia e disse que era preciso nos fiarmos num “operador” especializado. Nos puseram em Istambul num hotel super caro e mal localizado, a 40 minutos do centro histórico. Programaram um dia de visitas guiadas, que era o suficiente, já que as atrações são todas vizinhas, você passa no máximo meia-hora em Santa Sofia, mesmo agüentando todo o blá-blá-blá do guia, outro tanto (idem, idem) na Mesquita Azul, pode gastar até duas horas no Topkapi, um dia dá amplamente. Mas nos programaram dois dias e meio “livres”, não havia muito o que fazer. Inventamos os passeios descritos em Taksin e em volta da cidade velha, coisa que eles não pensaram em nos sugerir, e ainda ficamos sem ter o que fazer. Além do hotel excessivamente caro, o Opinião e Notícia arcou com uma diária, talvez duas, além do necessário.

A gota d’água: após esse agradável dia na Capadócia nos demos conta de que devíamos partir na manhã seguinte num vôo às 9 da manhã. Contando a necessidade de chegar ao aeroporto com pelo menos uma hora de antecedência, a viagem de uma hora do hotel ao aeroporto, uma hora para café da manha e check-out, teríamos de acordar às 6 da manhã. Num domingo de férias! Fomos nos informar e havia outro vôo da mesma empresa ao meio-dia. Conseguimos trocar para poder dormir até mais tarde e tomar o café da manhã com calma nessa manhã de domingo. Decididamente o operador local, o operador brasileiro e nossa agência não pensaram no nosso conforto.

Ainda a respeito desses odiosos “pacotes”, acho que na Capadócia são necessários, você chega num lugar desconhecido sem saber como visitar atrações situadas a 20-30 quilômetros umas das outras. Já em Istambul, não precisa. É uma capital civilizada. Quem é que vai a Paris ou Londres com um pacote com guia de turismo? Basta comprar um livro com antecedência, marcar as 3 ou 4 atrações principais, e ir. O hotel providenciará táxis confiáveis. Fiquei com a impressão de que gastamos, nesta viagem, mais ou menos o dobro do que seria normal. Para lucro dos “operadores”, e maior comissão da nossa agência de viagens.

Turquia: um resumo

A viagem valeu a pena. Vimos coisas bonitas em Istambul, embora não tão deslumbrantes como algumas pessoas disseram. E vimos coisas únicas na Capadócia, essa sim uma experiência especial. Sobre o deslumbramento de alguns com Istambul, e com tantos outros lugares, estou começando a desenvolver uma teoria:

1. Pessoas pouco viajadas tendem a se deslumbrar à toa.

2. As pessoas gostam de se valorizar. “Eu conheço um lugar que você não conhece, e que é deslumbrante.” Acho que esse é o mote principal. Eu conheço mais que você… A gente vê essa atitude com filmes: “Você ainda não viu?! É maravilhoso!!”

Por limitação de tempo fomos apenas a esses dois lugares, Istambul e Capadócia. A Turquia tem outros lugares famosos, dizem que praias bonitas, infelizmente desta vez não pudemos conhecer mais.

Leia toda a série Conhecendo a Turquia:

Conhecendo a Turquia

Istambul – informações gerais

Istambul – Os passeios

Turquia, laicismo e Islã

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

13 Opiniões

  1. Evandro Correia disse:

    Essas agências de viagem são um bando de ladrões.

  2. Dorival Silva disse:

    Esta bela série de reportagens me deu vontade de conhecer a Turquia.

  3. Urbano Ximenta disse:

    A diferença é que a TAM não fez a verificação do reverso e também o Lula não mandou parar Congonhas em dia de chuva, preferiu gastar nosso dinheiro colocando granito no aeroporto.

  4. Zilda disse:

    Concordo plenamente com esse comentário do jornalista Fernando Magalhães. As pessoas dizem que vc "precisaaaa" conhecer algum lugar que você ainda não conhece, e que o lugar é incrível. Chegando lá, o tal lugar pode até ser bom, mas se costuma ficar decepcionado pois se estava esperando algo incrível. Achei lindas essas formações rochosas, muito interessante…

  5. Dionísio Porto disse:

    Na Turquia também não deve ter urubu como o que entrou na turbina de um avião da Tam que saia hoje do Rio para NYork.

  6. Odla Albuquerque disse:

    Fernando,
    Lamento muito teres pego uma operadora q nao conhecia bem o país q visitastes. Já fui à Turquia 2 vezes: a primeira por uma operadora nacional, New age, q conhece bem a Turquia e q me proporcionou passeios inesquecíveis (nao so ate a Capadocia, como tb às cidades históricas, como Tróia, Pérgamo, Éfeso, Hierapólis e Capadócia)e a segunda vez por minha conta e risco(cheguei agora,dia 06/06, de lá). Em ambas as vezes, voltei ao Brasil com aquela sensação de quero mais, pois o país e muito variado em paisagens e em monumentos. Só em Istambul, desta vez, passei 9 dias, para dar conta de conhecer todos os seus museus, praças históricas e monumentos interessantes. E mesmo assim, ainda há coisas q não tive tempo de conhecer, pois me hospedei do lado asiático (o qual deve ser visitado tb!) e as distâncias `tb são monumentais. Em suma: Istambul não se restringe apenas a Sultanahmet (onde ficam a Santa Sofia, O Topkapi e a Mesquita azul – apesar q lá tb há o Museu arqueológico, bem atrás do Topkapi, q vale uma visita de umas 3h para ver tudo!), Istanbul é tb linda por usas ruelas históricas e coloridas q devem ser caminhadas a pé e sem pressa…talvez o q te faltou além de um bom guia, foi tempo para apreciar a cidade sem pressa e com olhos mais generosos. Tb quero ressaltar q uam ida à capadócia sem fazer o passeio de balão, não é a mesma coisa nunca!!!! Mas, deixo aqui minha opinião aos demais leitores: Istambul, por si só, já vale uma viagem à Turquia. Contudo, se tiverem mais tempo, visitem as demais cidades históricas, é um banho de cultura e História! E qto ao Aeroporto…bem, nada q o Aeroporto de Paris tb não tenha: banheiros sujos e corre-corre. Pelo menos, no Ataturk Airport em Istambul, os turcos nos recebem bem mais à brasileira q os parisienses.
    Obrigada pelo espaço.

    Odla

  7. Maria Lucia Cernew disse:

    Cheguei sexta feira dia 18/12 da Turquia e endoço tudo que a Odla mencionou,fiquei por lá 15 dias e fiquei apaixonada pela Turquia,talvez pq a gente não saiba o quanto a cidade de Istambul é grande e desenvolvida, e olha que não sou deslumbrada pq viajo muito e já conheci alguns paises.Um abraço.

  8. Maria Lucia Cernew disse:

    Concordo com Odla sobre tudo que mencionou sobre a Turquia, cheguei dia 18/12p.p.onde estive por 15 dias maravilhosos, fiquei encantada com tudo de diferente que tem por lá, e olhe que não sou marinheira de primeira viagem pois já conheço alguns países.quanto a Istambul,muita gente não pode imaginar o quanto é grande,populosa e ocidentalizada.

  9. Maria Lucia Cernew disse:

    Todo lugar que a gente viaja pela primeira vez é bastante interessante, nem melhor nem pior, não devemos comparar nada com nada cada um é cada um , cada qual com sua beleza e temos que respeitar as diferenças e as culturas. É assim que eu faço e vou conhecendo cada parte do mundo, amando e procurando apreender com as diferenças, EU AMO VIAJAR……

  10. Maria Lucia Cernew disse:

    Sabe que uma das coisas que me encantou na Capadocia?Foi ter tirado uma foto com a bandeira do meu Corinthians dentro de uma caverna com a imagem do glorioso São Jorge…

  11. suzi disse:

    Olá, estou indo sem setembro e gostaria de saber qual hotel vc ficou na Cappadócia, me disseram para procurar um hotel/pousada que não fosse para “turista”. Vc poderia me indicar algum? e o voo de balão? é fácil conseguir por lá ou acha necessário já agendar e pagar aqui?
    Grata
    Suzi

  12. Maria Lucia Cernew disse:

    Oi Suzi, eu fiquei no Hotel Dinler,é um hotel muito bom e bonito pq eu estava em uma excurcão, qto ao passeio de balaõ eu não fiz pq custava 3oo dolares e eu achei um pouco salgado ,mas no centro da cidade existe um agencia que faz o passeio , esse preço que eu falei foi me dado pelo guia da excurção e vc sabe como são essas coisa de guia, mas se vc tiver interesse é necessario agendar pelo menos um dia antes pq esses passeios saem muito cedo, bem de madrugada. Espero que vc aproveite bem pq a Turquia é um pais maravilhoso, um abraço…conte me depois como foi, se você gosta de viajar vamos manter um contacto, pq eu gosto muito e tenho algumas loucuras para te contar… thau… coisas de guia

  13. Jihane disse:

    Eu conheço Istanbul e estou indo de novo no final deste mês. Me desculpe, mas é óbvio que a sua teoria é furada. A minha teoria para este caso é a seguinte: você, pouco viajado, ou, no mínimo, desantenado e dependente, não soube preparar a viagem e acabou perdendo a oportunidade de conhecer a Istanbul ESPETACULAR!! A cidade é um desbunde, é inacreditável e vai um milhão além de Mesquita Azul, Sophia e etc. Recomendação: amplifique seus horizontes e seja mais humilde. Abraços

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *