Início » Internacional » Casa Branca denuncia iminente invasão turca ao norte da Síria
TRUMP AMEAÇA

Casa Branca denuncia iminente invasão turca ao norte da Síria

Trump afirmou que, se a Turquia fizer ‘algo fora dos limites’ na Síria, vai bombardear a economia do país em represália

Casa Branca denuncia iminente invasão turca ao norte da Síria
Tropas americanas se manterão fora de ação na Síria (Foto: Tia Dufour/White House)

Com cerca de mil soldados no Norte da Síria, os Estados Unidos acusam a Turquia de preparar uma invasão naquela conturbada região. Qualquer ação bélica ali pode resultar não somente no aumento da tensão, mas, principalmente, numa provável matança de curdos – aliados de Washington na campanha contra o grupo extremista Estado Islâmico. Há meses, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, renova as ameaças de atacar as forças curdas, que considera terroristas em potencial. Uma ação neste sentido, no entanto, significa grande risco aos interesses americanos bem como a seus aliados em todo o planeta. Tanto para políticos democratas quanto para republicanos, uma ação de Erdogan neste sentido representa grave ameaça.

Mesmo garantindo que não irá disparar um único tiro, o presidente americano Donald Trump já faz ameaças no campo de batalha que mais entende: o segmento dos negócios. “Se a Turquia fizer algo fora dos limites, destruirei sua economia”, disse no início desta semana a agências de notícias internacionais.

EUA vão bombardear economia turca em represália

E reforçou o recado: “Os EUA já fizeram muito mais do que se poderia esperar, incluindo a captura de 100% do califado do Estado Islâmico. Qualquer coisa que, na minha grande e incomparável sabedoria, eu considerar estar fora dos limites, destruirei – e destruirei totalmente – a economia do país”.

Antes disso, já orientada por Trump, a secretária de Imprensa da Casa Branca Stephanie Grisham quebrara a rotina da Casa Branca e, em plena noite do domingo, fez um pronunciamento à imprensa sobre o tema. “As tropas americanas não vão apoiar ou se envolver na operação e não mais estarão presentes nas áreas próximas ao conflito no norte da Síria”.

O que se sabe é que Trump e Erdogan já mantiveram uma conversa por telefone que, provavelmente, não foi das mais amistosas. O presidente americano se reconhece incapaz de atuar como comandante em chefe de uma ação militar. No entanto, como magnata e homem bem sucedido no mundo dos negócios, ele sabe minar – e mesmo destruir – a saúde econômica de quem interfere em seus interesses. Erdogan deve ter ouvido isso com todas as letras e ainda que a Turquia irá assumir a custódia dos soldados e mercenários capturados na campanha contra o Estado Islâmico – atualmente detidos pelas forças curdas – como já determinou a Casa Branca. Outra sangria no caixa de Erdogan.

Em dezembro de 2018, a decisão de Trump de retirar boa parte de suas tropas da Síria provocou a renúncia de seu então secretário de Defesa. Jim Mattis deixou o cargo disparando que o presidente americano deixara os curdos à mercê da Turquia.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Regina disse:

    A guerra agora é comercial.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *