Início » Internacional » Casal alemão é condenado por abusar e vender criança para pedófilos
ALEMANHA

Casal alemão é condenado por abusar e vender criança para pedófilos

O casal, formado pela mãe da criança e seu parceiro, vendeu a criança cerca de 60 vezes na internet para pedófilos e estupradores

Casal alemão é condenado por abusar e vender criança para pedófilos
As autoridades da Alemanha foram duramente criticadas pelo caso (Foto: Pixabay)

Um casal na Alemanha foi condenado por abusar de uma criança e vendê-la na internet para exploração sexual ao longo de dois anos. O caso chocou o mundo pela crueldade da mãe, Berrin T., de 48 anos, e do seu parceiro Christian L., de 39 anos, que prostituíram o garoto, hoje com 10 anos de idade, por cerca de 60 vezes. O caso ocorreu em Staufen, sul da Alemanha, e o julgamento foi realizado em Freiburg.

O casal foi sentenciado nesta terça-feira, 7. Berrin T. vai cumprir 12 anos e seis meses de prisão por abuso sexual e prostituição forçada do filho. Christian L., por sua vez, foi condenado a 12 anos de prisão, além de uma ordem de detenção preventiva, que deve mantê-lo na prisão por toda a sua vida.

Christian L. não poderia morar com uma criança por ser categorizado como um pedófilo anteriormente. Segundo o jornal alemão Süddeutsche Zeitung, o homem foi sentenciado em 2005 por estar em posse de pornografia infantil. Mais tarde, em 2010, foi condenado a quatro anos por abusar sexualmente de uma menina de 13 anos. Ele passou pela terapia, mas foi apontado como uma pessoa com alto risco de recaída, sendo impedido de entrar em contato com crianças, apenas sob a supervisão dos responsáveis.

A sentença, no entanto, não o impediu de se relacionar com Berrin T., a partir de 2015, e, mais tarde, ir morar com a mulher e seu filho. Inicialmente, a mãe teria aceitado a prostituição da criança por medo de que Christian L. a deixasse. Mais tarde, porém, o motivo foi financeiro. Além de abusarem sexualmente e prostituírem o menino, o casal filmou o garoto e disponibilizou o material na dark net – uma parte da deep web que não pode ser acessada por usuários comuns.

Além do cumprimento da prisão, o casal terá de pagar 42,5 mil euros de indenização ao menino e a uma menina de três anos, com deficiência mental, que também foi abusada por Christian L. enquanto estava sob os cuidados temporários de Berrin T.

O caso foi revelado em 2017 e o julgamento do casal teve início em junho deste ano. Ao todo, oito réus estão sendo julgados separadamente pelos crimes – o casal e mais seis envolvidos. Um alemão de 44 anos foi condenado a 10 anos de prisão por estupro e abuso sexual grave em meados de abril. Um soldado do Exército de 50 anos terá de cumprir oito anos de prisão por estuprar a criança duas vezes, além de filmar e divulgar o material na internet.

Já um suíço de 37 anos admitiu ter agredido sexualmente o menino em três ocasiões, pagando um total de 50 euros, um cheeseburguer e um computador usado. Um alemão de 44 anos também está sendo julgado. O homem perguntou a Christian L. se poderia agredir sexualmente a criança e matá-la.

Críticas as autoridades

O caso revoltou a população alemã e gerou duras críticas às autoridades, citando as suas falhas em proteger a criança. Isso porque a criança chegou a ser resgatada em março de 2017, quando autoridades souberam que Christian L. estava morando no apartamento com o menino.

Após isso, o menino morou temporariamente com uma família adotiva, mas foi levado de volta para a mãe Berrin T. por decisão da Justiça. O Judiciário, porém, exigiu que a mulher mantivesse Christian L. fora de casa, o que não foi respeitado e o homem seguiu mantendo contato com a criança.

Apenas em setembro de 2017, após uma denúncia anônima feita ao Departamento Federal da Polícia Criminal, os investigadores iniciaram uma grande investigação, que resultou na detenção do casal e de outros seis acusados.

Fontes:
The Guardian-German couple who sold son to paedophiles on darknet jailed
DW-Casal é condenado em caso de abuso que chocou a Alemanha

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *