Início » Internacional » Casos de malária no mundo voltam a aumentar
RELATÓRIO DA OMS

Casos de malária no mundo voltam a aumentar

Aumento ocorre após uma tendência de queda entre 2010 e 2015

Casos de malária no mundo voltam a aumentar
A malária é uma doença transmitida pela picada do mosquito de gênero Anopheles ou por contato pelo sangue (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgado nesta quarta-feira, 29, revelou que o número de casos confirmados de malária no ano passado em todo o mundo subiu 5 milhões em relação a 2015.

Leia também: Cientistas testam bafômetro capaz de diagnosticar malária

O aumento ocorre após uma tendência de queda entre 2010 e 2015, quando a incidência da doença apresentava uma diminuição de 21%. Em 2016, o mundo registrou 216 milhões de casos de malária, contra 211 milhões em 2015.

De acordo com a OMS, foram confirmados 129.251 casos da doença no Brasil no ano passado. Apesar de ter ocorrido uma redução em relação a 2015, quando foram registrados 143.161 casos, especialistas apontam para uma tendência de aumento neste ano.

A região amazônica apresentou 7,3 mil casos a mais de malária no primeiro semestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado. Atualmente, Tocantins vive um surto da doença.

A malária é uma doença transmitida pela picada do mosquito de gênero Anopheles ou por contato pelo sangue. Entre os sintomas estão mal-estar, calafrios, seguido de suor intenso e prostração.

A África ainda é a região mais atingida pela doença em todo o mundo, concentrando 90% dos casos.

A OMS ressalta que mais países estão perto de eliminar a malária — quando não há mais transmissão interna. O número de países que reportaram menos de 10 mil casos da doença aumentou de 37 em 2010 para 44 em 2016.

Países como Emirados Árabes Unidos, Marrocos, Armênia, Maldivas e Sri Lanka já eliminaram a doença. Outros como a Argentina estão em processo de eliminação.

Fontes:
G1 - Após tendência de queda, casos de malária no mundo sobem em 2016, aponta OMS

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *