Início » Internacional » China continua extração ilegal de madeira em Mianmar
Extração Ilegal de Madeira

China continua extração ilegal de madeira em Mianmar

O ritmo acelerado da extração ilegal de madeira das florestas de Mianmar por empresas chinesas é uma realidade difícil de combater

China continua extração ilegal de madeira em Mianmar
As vendas externas de troncos de madeira foram proibidas em abril de 2014 (Foto: Wikipedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os gângsteres chineses exploram ilegalmente as florestas ao norte de Mianmar há mais de 25 anos, a fim de abastecer o enorme comércio de madeira da China. Há dez anos um controle rigoroso nos dois lados da fronteira reprimiu a ação dos madeireiros. No entanto, um estudo publicado em 17 de setembro pela Agência de Investigação Ambiental (EIA, sigla em inglês), uma entidade sem fins lucrativos com sede em Londres, relatou que o comércio ilegal recomeçara em larga escala. Segundo o estudo, Mianmar perdeu 1,7 milhão de hectares de florestas de 2001 a 2013, cuja madeira foi em grande parte contrabandeada pela fronteira de Kachin, ao norte do país, para a província chinesa de Yunnan. Desde 2009, a perda média anual de árvores em Mianmar quase duplicou e já atingiu a extensão de 185 mil hectares.

As leis de Mianmar só permitem a exportação de madeira e de produtos de madeira  pelos portos fluviais em Yangon, a antiga capital e a maior cidade do país, e nunca por terra para os países vizinhos. As vendas externas de troncos de madeira foram proibidas em abril de 2014. Mas essas regras não significam nada para os membros corruptos do exército, que controlam cerca de 60% da cidade de Kachin e vendem o salvo-conduto aos madeireiros que vêm da China.

As regras têm ainda menos significado para os rebeldes da etnia kachin que lutam contra o exército. Eles vendem o acesso às montanhas cobertas de árvores para empresas chinesas como um meio de financiar suas campanhas militares.

Porém mesmo se Mianmar intensificar os esforços para reprimir essa extração ilegal de madeira, um progresso duradouro só seria possível com o firme apoio da China. Mas a demanda de madeira do exterior para uso em móveis e pisos sofisticados está aumentando com a proteção cada vez maior do governo chinês às suas próprias florestas. Os pesquisadores da EIA revelaram que os funcionários do governo em Yunnan praticamente desistiram das iniciativas anteriores de apoiar a preservação das florestas de Mianmar. Eles não fazem quase nada para impedir que os caminhões carregados de madeira cruzem a fronteira, desde que as empresas chinesas paguem o imposto cobrado.

Fontes:
The Economist - Stumped

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *