Início » Internacional » China monitora celulares de quem entra em Xinjiang
VIGILÂNCIA EM MASSA

China monitora celulares de quem entra em Xinjiang

Pequim faz varredura em aparelhos de quem entra em Xinjiang, região autônoma onde vivem muçulmanos da etnia uigur, duramente reprimidos por Pequim

China monitora celulares de quem entra em Xinjiang
Varredura é feita através de aplicativo instalado por guardas na fronteira (Foto: Ministry of Digital Development, Communications and Mass Media of the Russian Federation)

O governo chinês está espionando pessoas que atravessam a fronteira entre o Quirguistão e Xinjiang, uma região autônoma da China onde estão os muçulmanos da etnia uigur. A conclusão é de uma investigação liderada por cinco jornais internacionais, que trabalharam em conjunto.

Os jornais identificaram um aplicativo chinês, instalado por autoridades na fronteira, em smartphones de quem atravessa a fronteira, desde turistas até comerciantes. Supostamente, os policias da fronteira instalariam os aplicativos, recolheriam as informações e devolveriam o aparelho com o app já desinstalado. O nome do aplicativo seria “Fengcai”, um termo sem tradução para o português, mas que tem relação com abelhas que coletam o mel.

Por isso, o aplicativo fica visível na área de trabalho. A instalação do app, porém, só ocorreria em celulares com o sistema operacional do Google (Androind), enquanto os iPhone seriam escaneados no momento da apreensão temporária dos aparelhos.

De acordo com testemunhas, os turistas são obrigados a entregar os celulares desbloqueados para autoridades na fronteira. Os policiais, então, se afastam com os aparelhos, voltando horas depois. Estima-se que cerca de 100 milhões de pessoas, entre turistas nacionais e internacionais, visitam a região de Xinjiang anualmente.

Segundo a investigação realizada pelos jornais New York Times, Guardian, Vice, Süddeutsche Zeitung e a rede NDR, o aplicativo coletaria todas as informações relativas a calendário, agenda telefônica, mensagens de textos, e-mails, entre outras coisas, e enviaria todos os dados para um servidor.

“[Este aplicativo] fornece mais uma fonte de evidências que mostram como a vigilância em massa está sendo realizada em Xinjiang. Já sabemos que os residentes de Xinjiang – especialmente os muçulmanos turcos – estão sujeitos à vigilância multidimensional e ininterrupta na região”, destacou a pesquisadora Maya Wang, da ONG Human Rights Watch (HRW).

Porém, o aplicativo também vasculha os smartphones em busca de outras informações, como o jejum do ramadã, conteúdo extremista islâmico, textos relacionados a Dalai Lama, entre outras coisas em uma lista de 73 mil itens. Curiosamente, o aplicativo também varre o aparelho em busca de músicas de uma banda de metal japonesa chamada Unholy Grave.

“Este é mais um exemplo do motivo pelo qual o regime de vigilância em Xinjiang é um dos mais ilegais, difusos e draconianos do mundo. […] Aplicativos, plataformas e dispositivos modernos geram enormes quantidades de dados que as pessoas nem mesmo estão cientes ou acreditam ter excluído, mas que podem ainda ser encontrado no dispositivo. Isso é altamente alarmante em um país onde baixar o aplicativo ou artigo de notícias errado pode levá-lo a um campo de detenção”, explicou Edin Omanovic, chefe do programa de vigilância do estado na Privacy International.

As autoridades chinesas mantêm uma forte rotina de vigilância sobre a região de Xinjiang. Há anos as minorias muçulmanas têm sido alvo de repressão na China. Em 2017, a HRW já havia revelado que os chineses estavam coletando dados biomédicos da minoria uigur. Já no último mês de fevereiro, a China aumentou a vigilância, instalando, inclusive, programas de reconhecimento facial na região.

Essa, porém, não é a primeira ofensiva chinesa sobre smartphones em 2019. Em abril, foi revelado que o governo da China estava forçando os cidadãos a baixarem o aplicativo “Estude a Grande Nação” (Xuexi Qiangguo, no original), que permite aos usuários ganhar pontos acompanhando notícias sobre o presidente Xi Jinping.

Fontes:
The New York Times-China Snares Tourists’ Phones in Surveillance Dragnet by Adding Secret App
Vice-China Is Forcing Tourists to Install Text-Stealing Malware at its Border
The Guardian-Chinese border guards put secret surveillance app on tourists' phones

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *