Início » Internacional » China restringe ainda mais o acesso à internet
Censura na China

China restringe ainda mais o acesso à internet

Sites estão praticamente inacessíveis no país desde que o governo comunista começou a bloquear os serviços de rede privada virtual (VPNs)

China restringe ainda mais o acesso à internet
O que a China descreve como sua busca por 'soberania na internet', a maioria vê como censura (Reprodução/Internet)

Sites como Google, Gmail, Instagram, Flickr e Facebook se tornaram praticamente inacessíveis na China, graças ao acirramento da política de censura à internet do Partido Comunista. Nos últimos dias, segundo relatam o New York Times e o Washington Post, o governo chinês passou a bloquear sistematicamente os serviços de rede privada virtual (VPNs), ferramentas amplamente usadas por empresários, artistas, cientistas e universitários, entre outros, para driblar a censura online no país.

A China tem a internet mais restrita do mundo há muito tempo. Mas, até agora, as autoridades tinham efetivamente tolerado a proliferação de VPNs, que serviam como uma espécie de janela de acesso ao mundo virtual para milhões de pessoas que dependem de uma internet menos acorrentada para trabalhar, desde arqueólogos a investidores.

Mas, no início desta semana, depois que uma séria de empresas fornecedoras de VPNs se queixaram que o governo chinês havia interrompido seus serviços com uma sofisticação sem precedentes, um alto funcionário do governo reconheceu, pela primeira vez, a sua mão nos ataques e prometeu mais do mesmo.

A iniciativa para desativar alguns dos VPNs mais populares provocou uma torrente de indignação de internautas na China. A maioria reclama que, em sua busca pela chamada “soberania na internet”, eufemismo de Pequim para censura online, o Partido Comunista está sufocando a inovação e a produtividade necessárias para reavivar a economia chinesa em um momento de desaceleração.

Tijolo por tijolo, a China ergue a sua Grande Muralha virtual cada vez mais alta, contradizendo suas pretensões de ser uma superpotência global aberta para o mundo exterior.

“O objetivo de longo prazo da China é transformar a internet em uma intranet, impedindo o acesso a todos os sites criptografados, para que os burocratas do governo possam tocar em qualquer coisa que alguém está dizendo, a qualquer momento”, disse um executivo de TI estrangeira, que falou ao New York Times sob condição de anonimato devido à natureza sensível do assunto.

No entanto, por trás dessa grande muralha, as empresas de TI chinesas estão florescendo e o e-commerce está crescendo no país. Na medida em que a dissidência é esmagada, o sucesso da política em consolidar o poder do Estado comunista sobre a internet sugere que não haverá mais volta.

Fontes:
The New York Times - China clamps down still harder on internet access
The Washington Post - Is this North Korea? Chinese netizens squirm as party tightens grip on Internet

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *