Início » Internacional » China tem 110 mil estudantes em universidades nos EUA; Brasil, 13 mil
Ano letivo 2013-14

China tem 110 mil estudantes em universidades nos EUA; Brasil, 13 mil

Chineses já representam 30% de todos os alunos estrangeiros de graduação nas universidades americanas

China tem 110 mil estudantes em universidades nos EUA; Brasil, 13 mil
Mais de 110 mil jovens da China matricularam-se nas universidades americanas no ano letivo de 2013-14 (Reprodução/Reuters)

Milhões de chineses sonham em estudar na Universidade de Harvard. “Harvard Girl”, um manual publicado no ano 2000 pelos pais de uma candidata universitária bem-sucedida foi um bestseller nacional. Mas o sonho de estudar em Harvard está se diversificando.

O Georgia Institute of Technology, uma excelente universidade em Atlanta, apesar de não ter o mesmo prestígio de Harvard, está atraindo um grande número de estudantes chineses. Em 2014, 2.309 jovens chineses candidataram-se a cursar a Georgia Tech, um aumento extraordinário comparado aos 33 candidatos em 2007. Alguns desses jovens estudaram nas melhores escolas da China e estão dispostos a pagar cerca de U$44 mil (o custo de taxas anuais e de hospedagem), o equivalente a quase dez vezes a renda anual média das famílias urbanas.

As ambições dos estudantes chineses mudaram. Não é mais a atração por nomes famosos que os estimula a cursar uma universidade no exterior. Agora, a educação no exterior é uma meta a ser conquistada, independente do prestígio da instituição. Universidades bem menos renomadas do que a Georgia Tech estão colhendo os benefícios do interesse crescente dos estudantes chineses em estudar nos EUA. Mais de 800 mil chineses matricularam-se em cursos no exterior de todos os níveis, em 2012 e 2013. Nesses dois anos esses chineses representaram mais de um quarto dos 3 milhões de jovens, que foram estudar em outros países desde a abertura política da China em 1978. No final de 2013 havia cerca de 1,1 milhão de estudantes chineses no exterior, segundo o Ministério da Educação dos EUA, mais de três vezes do que há uma década.

A China tem sido a maior fonte de alunos estrangeiros matriculados em universidades no mundo inteiro, com um crescimento rápido e muito acentuado nos últimos anos. Desde pelo menos 2009 a China é responsável pelo envio do maior número de estudantes estrangeiros ao exterior, não só em países de língua inglesa do mundo desenvolvido, como também à França, Alemanha, Itália, Suécia, Finlândia, Japão e Coreia do Sul, entre outros países.

Comparação com o Brasil

Mas o número de estudantes chineses nos Estados Unidos cresce em um ritmo impressionante. Mais de 110 mil jovens da China matricularam-se nas universidades americanas no ano letivo de 2013-14, mais de 11 vezes o número de alunos no período de 2006-07. Agora esses estudantes representam 30% de todos os alunos estrangeiros de graduação nas universidades americanas. Em comparação, o número de alunos brasileiros matriculados em universidades americanas no ano letivo de 2013-14 foi de 13.286, segundo o relatório anual Open Doors, divulgado em novembro do ano passado.

O número de estudantes brasileiros nos EUA subiu 22,2% na comparação com o ano letivo de 2013-13, e fizeram o Brasil pular da 11ª para a 10ª posição no ranking de países que mais enviam estudantes para os EUA.

Fontes:
Economist-Georgia on their minds
G1 - Brasil entra no grupo de dez países que mais enviam estudantes aos EUA

1 Opinião

  1. Regina Caldas disse:

    A China investe em Educação de qualidade, inclusive no conhecimento da língua inglesa. Portanto, a China abre as portas para que seus estudantes frequentem as melhores Universidades em qualquer canto da Terra. E os chineses não estão lotando só as escolas norte americanas, estão na Inglaterra ao lado de sul coreanos, sauditas, indianos. Não podemos dizer o mesmo sobre o Brasil, não investe em Educação, não prepara seus estudantes no inglês. Lamentavel

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *