Início » Internacional » China tem planos ambiciosos para dominar os céus do século 21
Aviação na China

China tem planos ambiciosos para dominar os céus do século 21

Sucesso no setor de aviação requer enorme sofisticação, coordenação, abertura e inovação

China tem planos ambiciosos para dominar os céus do século 21
Obstáculos enfrentados pela indústria de aviação chinesa jazem no coração dos desafios econômicos da China de hoje (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Ao longo dos próximos anos, a China pretende gastar US$ 250 bilhões na construção das indústrias aeroespaciais do futuro. O país abriga mais de dois terços dos aeroportos em construção pelo mundo e terá o maior crescimento para a Boeing e Airbus, embora esteja investindo pesadamente em rivais autóctones na esperança de dominar os mercados de aviação do século XXI.

James Fallows, correspondente da revista americana The Atlantic e crítico da Economist, conta em seu novo livro China Airborne a jornada do gigante asiático rumo à dominação dos ceús. O único ponto fraco do volume é a insistência em enxergar todo o futuro do páis através da lente da aviação. “O futuro aeroespacial da China é um teste para o seu desenvolvimento econômico e tecnológico como um todo”.

Contudo, os obstáculos enfrentados pela indústria de aviação chinesa de fato jazem no coração dos desafios econômicos da China de hoje. Graças à integração global e à ascenção dos salários, os dias do país como um celeiro de falsificações e subempregos estão contados. Os seus líderes sabem que precisam se tornar mais inovadores para florescer, e para isso precisarão de grandes mudanças em relação à sua opressiva abordagem educacional, ao seu inconfiável sistema legal e ao regime político repressivo.

O sucesso no setor de aviação requer enorme sofisticação, coordenação, abertura e inovação, mas cabe lembrar que a Suíça e a Costa Rica se tornaram democracias robustas e economias fortes sem desenvolver aviões, e a União Soviétia criou um programa espacial de primeira categoria ao mesmo tempo em que era economica e politicamente disfuncional. O autor é cauteloso ao tentar responder à questão crucial de se a China dominará a indústria da aviação: não é inteligente fazer previsões de nenhum tipo em um país tão cheio de contradições como a China.

Fontes:
The Economist - Soaring ambition

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *