Início » Internacional » Cidades dos EUA eliminam pagamento de fiança
SISTEMA CARCERÁRIO

Cidades dos EUA eliminam pagamento de fiança

New Jersey pôs em prática um sistema de avaliação para que alguns criminosos possam aguardar o julgamento em liberdade, sem o pagamento de fiança

Cidades dos EUA eliminam pagamento de fiança
Número de detentos nas prisões de New Jersey caiu 36% de setembro de 2015 a setembro de 2017 (Foto: Flickr/Ronald Gosling)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

“O acusado recebeu a pontuação três, Meritíssimo.” “Antes das avaliações ele foi classificado na categoria dois.” “Na avaliação de perigo para a comunidade, a pontuação é cinco.” O réu, um homem magro, com barba, vestido com um macacão laranja e algemas nos pulsos, ouviu sua avaliação em uma escala de seis pontos ao lado do advogado.

Bem-vindo ao mundo das audiências pré-julgamento em New Jersey, que no dia 1º de janeiro foi o primeiro estado a eliminar quase por completo o uso da fiança. Em vez de critérios subjetivos, ou um valor fixo para o pagamento de fiança, os juízes agora usam um algoritmo com nove fatores de risco para avaliar se um réu é perigoso ou se tem intenção de fugir. Os que se encaixam nesse perfil são presos. Os outros aguardam o julgamento em liberdade, porém sob vigilância.

Os que apoiam a experiência de New Jersey apontam uma diminuição acentuada na população carcerária do estado, em razão da redução do número de criminosos pobres, que não representavam perigo para a comunidade, mas aguardavam julgamento na prisão por não terem dinheiro para pagar a fiança. O número de detentos nas prisões de New Jersey diminuiu 36% no período de setembro de 2015 a setembro de 2017.

Os críticos argumentam que o pré-julgamento permite que os criminosos circulem em liberdade pelas ruas, o que pode constituir uma ameaça à segurança das cidades. Mas o sistema está sendo adotado em diversos lugares dos EUA.

O Comitê de Segurança Pública da Califórnia aprovou um projeto de lei semelhante ao de New Jersey. O Conselho Municipal de Nova Orleans aprovou uma medida que proíbe o pagamento de fiança em casos de delitos leves. Connecticut limitou os casos de delitos leves que exigem o pagamento de fiança. A senadora democrata Kamala Harris, da Califórnia, e Rand Paul, um senador republicano de Kentucky, apresentaram um projeto de lei incentivando os estados a adotarem programas de avaliação de criminosos baseados em evidências. Em 2016 e 2017, Illinois, Montana, New Mexico e Alasca aprovaram medidas destinadas a reduzir o pagamento de fiança e a permitir que réus mais pobres aguardassem o julgamento em liberdade, sem o pagamento de fiança.

A União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) processou o condado de Randolph, no Alabama, pela prisão de Kandace Edwards, uma veterana de guerra que estava grávida de sete meses, por ter falsificado um cheque de US$ 75. A polícia manteve-a na prisão, porque não tinha condições de pagar uma fiança de US$ 7,500. Um estudo sobre a população carcerária em Nova Jersey antes do projeto de reformulação do pagamento de fiança revelou que 12%, o proporcional a mais de 1.500 pessoas, estavam presas porque não podiam pagar uma fiança de US$ 2,500.

Um estudo realizado pela Fundação Arnold, que criou o sistema de avaliação pré-julgamento usado em New Jersey, mostrou que mesmo um período curto de detenção anterior ao julgamento de réus de risco baixo a moderado correspondia a taxas maiores de reincidência. A experiência de New Jersey é ousada, mas os resultados estão incentivando outros lugares a imitá-la.

Fontes:
The Economist - Replacing bail with an algorithm

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *