Início » Cultura » Como a Era Vitoriana moldou o conceito de lazer
LIVROS

Como a Era Vitoriana moldou o conceito de lazer

Londrinos da Era Vitoriana criaram formas de lazer que foram, posteriormente, incorporadas ao estilo de vida contemporâneo

Como a Era Vitoriana moldou o conceito de lazer
Londrinos se divertiam em meio a um contexto de puritanismo e a rigidez de costumes (Divulgação/Yale)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Os londrinos da era vitoriana eram extremamente criativos em suas formas de lazer. Havia passeios de balão, parques e jardins com atrações exóticas, teatros de variedades, e locais abertos à noite onde se podia dançar e beber.

Em seu livro mais recente, “Palaces of Pleasures” (“Palácios do prazer”, em tradução livre)o historiador Lee Jackson descreveu como os londrinos se divertiam em meio a um contexto de atitudes e comportamentos da Era Vitoriana, em que se destacavam o puritanismo e a rigidez de costumes.

O teatro de variedades Wilton’s Music Hall, construído em 1859, foi um dos primeiros a fazer um enorme sucesso com seus shows de palhaços, artistas de circo, menestréis com o rosto pintado de preto e um repertório de músicas vulgares e sentimentais.

Na década de 1860, os teatros de variedades atraíam um grande número de pessoas interessadas em outros tipos de entretenimento do que os oferecidos pelos teatros tradicionais do West End. A fim de eliminar a concorrência, os donos desses teatros diziam que locais como o Wilton’s Music Hall eram frequentados por prostitutas e ofereciam entretenimentos de baixo nível moral e intelectual.

Ao longo do tempo, a programação desses teatros foi se sofisticando até que, em 1912, eles começaram a ser frequentados por pessoas da alta sociedade e membros da realeza. Nessa ocasião, em um desses teatros, o Palace Theatre, o rei Jorge V assistiu ao Royal Variety Performance, um evento anual de gala em benefício de artistas.

Mas alguns teatros de variedades continuaram a atrair um público mais boêmio. Em 1878, quando o Argyll Rooms perdeu sua licença de funcionamento, estudantes de medicina bêbados, incentivados por prostitutas, jogaram bombinhas na polícia, em protesto contra o fechamento de seu local favorito de diversão.

Em 1840, os londrinos descobriram o prazer de dançar. Bob Bignell, um apostador de West End, fundou a primeira casa noturna onde se podia dançar e beber em Londres, o Laurent’s Casino, com um funcionamento semelhante ao das boates atuais. Quando a “febre” da dança em Londres terminou, Bignell transformou o espaço no teatro Trocadero Music Hall.

Entre os pubs frequentados pelos londrinos, o Prince Alfred, um luxuoso pub construído em 1856, distinguia-se por suas divisórias de madeira, que separavam os clientes por classe social, uma hierarquia respeitada pela sociedade vitoriana.

O jardim Cremorne às margens do rio Tâmisa, em Chelsea, era um local de lazer muito popular na época. O jardim tinha uma ampla programação, com shows de fogos de artifício, espetáculos teatrais, concertos musicais, e encenações de eventos históricos, como a Guerra da Crimeia e a Revolta dos Cipaios, na Índia. 

Cremorne também oferecia aos visitantes passeios em balões de ar quente. Certa vez, a balonista Madame Poitevin subiu em um balão montada em um touro. O balão caiu em Ilford, nos arredores de Londres, e o animal morreu no acidente, o que provocou a intervenção da Royal for the Prevention of Cruelty to Animals.

A Londres da Era Vitoriana também tinha grandes espaços de exposição, como o Crystal Palace, que exibia artigos de luxo, obras de arte, objetos, reprodução em miniatura de obras arquitetônicas, como uma vila romana, e réplicas das estátuas de Ramsés II no templo de Abu Simbel. A programação eclética incluía corrida de pôneis montados por macacos, peças de teatro, óperas e um controverso “zoológico humano” onde 60 somalis trazidos da África eram alvo da curiosidade dos londrinos. O Crystal Palace foi destruído por um incêndio em 1936.

Os parques atraíam um grande público. O parque em Earl’s Court tinha roda-gigante, montanha-russa e shows do caubói Buffalo Bill. O parque White City construído com um estilo arquitetônico orientalista tinha montanha-russa, canais, passeios emocionantes, outro “zoológico humano”, desta vez composto de irlandeses, e pavilhões patrocinados pela Moet & Chandon.

O jardim de inverno da cidade de Southport inaugurado em 1874 oferecia aos visitantes passeios por uma estufa com plantas tropicais e jardins com cavernas e grutas, salas de jogos e uma sala de concertos, além da visão curiosa de um aquário com crocodilos. Os jardins de inverno de Londres, o Royal Aquarium e o Winter Garden, copiaram o modelo do jardim de Southport, com exceção dos crocodilos.

O futebol, um esporte muito apreciado pelos ingleses, profissionalizou-se na Era Vitoriana. O Fulham Football Club, o mais antigo time de futebol de Londres, ainda joga em seu primeiro campo, construído em 1896. E a primeira final da FA Cup foi jogada em 1872 no campo The Oval, em Kennigton, Londres.

Fontes:
The Guardian-Theme parks, pubs and 'human zoos': how the Victorians invented leisure

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *