Início » Internacional » Como compreender melhor a metástase
combate ao câncer

Como compreender melhor a metástase

Experimento fornece pistas que podem ajudar a desenvolver remédios para retardar a metástase do câncer de mama

Como compreender melhor a metástase
Interromper a metástase seria uma grande conquista (Reprodução/SPL)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O aspecto mais insidioso do câncer é a sua tendência a se espalhar. Um solitário tumor primário pode ser derrotado pelo bisturi ou pela radiação, assim como por remédios, com uma chance razoável de sucesso. Mas uma vez que a metástase tenha começado e cânceres secundários tenham se espalhado pelo corpo de um paciente tais tratamentos têm uma probabilidade muito menor de funcionarem. Interromper a metástase, portanto, seria uma grande conquista. E um dispositivo criado por Matteo Moretti do Instituto de Ortopedia Galeazzi, em Milão, e Roger Kamm, do Masssachusetts Institute of Technology, pode representar um passo nessa direção. A invenção deles, descrita como biomateriais, é um “laboratório contido em um chip” que reproduz a metástase do câncer de mama no interior da medula óssea.

Um dos mistérios da metástase é porque células migrantes oriundas de outros tipos de cânceres primários preferem se fixar em tipos particulares de tecidos secundários. Para testar sua invenção os dois pesquisadores estudaram a estabelecida tendência de células de cânceres de mama a colonizarem ossos. Eles queriam testar a hipótese de que nesse caso a atração ocorre entre uma molécula sinalizadora chamada CXCL5, a qual células ósseas utilizam para se comunicar com outras células, e um receptor molecular chamado CXCR2, o qual costuma ser encontrado nas membranas exteriores de células do câncer de mama.

Para descobrir eles realizaram um experimento com células do câncer de mama que haviam sido incubadas com anticorpos para a CXCR2. Isso retardou muito a disseminação das células cancerígenas. Por outro lado, quando CXCL5 foi adicionado às matrizes de colágeno, células cancerígenas se espalharam rapidamente. O elo entre a mensageira e o receptor, portanto, parece ser o que torna os ossos tão atraentes para células do câncer de mama.

Esta informação é bastante útil. Mirar quimicamente no receptor CXCR2, ou desenvolver remédios que reduzam a secreção de CXCL5 por parte dos ossos pode retardar – ou até mesmo interromper – a metástase do câncer de mama.

Fontes:
The Economist-Secondary goals

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *