Início » Internacional » Como o enxofre pode melhorar o desempenho das baterias
Tecnologia

Como o enxofre pode melhorar o desempenho das baterias

O enxofre em células elétricas aumenta cinco vezes seu desempenho

Como o enxofre pode melhorar o desempenho das baterias
As baterias de lítio e enxofre funcionam de maneira semelhante, mas sem o metal pesado (Reprodução/Internet)

O mundo baterá à porta de quem fabricar uma bateria com um desempenho melhor. Para bens de consumo, de computadores a carros, “melhor” significa “melhor do que a bateria de íons de lítio”. E diversos engenheiros acham que podem fabricar essa bateria, com lítio e enxofre.

A bateria de íons de lítio funciona por meio da passagem de íons, com uma carga positiva, através de um elétrodo que conecta dois eletrodos, um feito de carbono e outro de uma substância que contém um metal pesado como cobalto, manganês ou níquel. Esses metais têm diversas etapas de oxidação e, portanto, podem perder ou ganhar números diferentes de elétrons em circunstâncias distintas. Com a finalidade de equilibrar o movimento do lítio e dos íons, os elétrons (com uma carga negativa) fazem um movimento de ida e volta do metal pesado através de um circuito externo, que também conecta os eletrodos, mudando a fase de oxidação do metal. Quando a bateria está descarregando, os íons e elétrons movem-se espontaneamente em uma direção, o que cria uma circulação de elétrons e libera energia. Quando a bateria está sendo carregada os íons e elétrons são obrigados, por meio de uma tensão elétrica, a seguirem na direção oposta e, assim, armazenam energia.

As baterias de lítio e enxofre funcionam de maneira semelhante, mas sem o metal pesado. Em vez disso, usam enxofre, que também tem várias etapas de oxidação, mais do que muitos metais. Esse fato, associado à leveza do enxofre, significa que as baterias de lítio e enxofre podem, em princípio, armazenar quatro a cinco vezes mais energia por grama do que as de íons de lítio. Além disso, como o enxofre é barato, as baterias terão um custo de fabricação menor.

Fontes:
The Economist-A whiff of brimstone

1 Opinião

  1. dragaoforte disse:

    Que ótima noticia… surgem tecnologias alternativas viáveis suplementando ás antigas….será que os “velhos” vão abrir mão dos seus lucros????!!!!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *