Início » Internacional » Conflito na Ucrânia revive momentos de tensão da Guerra Fria
Internacional

Conflito na Ucrânia revive momentos de tensão da Guerra Fria

Líderes da Alemanha e EUA têm expressado opiniões contrárias sobre a possibilidade de armar tropas ucranianas

Conflito na Ucrânia revive momentos de tensão da Guerra Fria
Conflitos na Ucrânia continuam sem resolução (Foto: Reprodução/Internet)

A Guerra Fria ficou na história, mas seu espírito reapareceu em uma conferência de segurança realizada em Munique todo inverno há 51 anos. Desta vez, a crise na Ucrânia foi o principal tema em debate. A emoção é algo raro na diplomacia internacional, mas ela esteve muito presente nos discursos dos líderes em Munique.

Para defender posicionamentos contrários sobre a possibilidade de armar as tropas em Kiev em resposta à ofensiva russa no leste da Ucrânia, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o senador americano John McCain, trouxeram para a discussão diferentes lições dos embates com a União Soviética no século passado.

A Europa atual é bem diferente daquela em que os militares da Otan e os soviéticos disputavam o poder. Porém, a crise na Ucrânia fez ressurgir antigas rivalidades, na medida em que crescem as ameaças de uso de força conjunta contra a Rússia devido às falhas nas negociações no último mês.

Merkel lembrou a sua infância na Alemanha Oriental comunista para rebater autoridades americanas e inglesas que questionaram a eficácia da busca pela diplomacia sem a ameaça do uso de força.

“Olha“, disse Merkel, que, como o presidente François Hollande, da França, havia acabado de voltar de horas de negociações com Vladimir Putin, o presidente russo. “Eu cresci na Alemanha Oriental, e quando eu tinha sete anos o Muro de Berlim foi construído.

Merkel disse que ninguém esperava que o Ocidente montasse um ataque militar para derrubar o muro, e que e os alemães orientais esperaram mais de 28 anos até que o muro caísse em novembro de 1989. Merkel deu a entender que essa experiência havia formado a sua opinião de que os avanços russos na Ucrânia não serão solucionado com armas.

O senador americano John McCain rejeitou a fala da chanceler. “Afirmar que não há solução militar, que é um truísmo, não deve nos levar a crer que não há uma dimensão militar para o problema, ou que o hard power não pode desempenhar um papel em uma solução favorável”, disse o senador.

McCain disse ainda que os soviéticos foram contidos durante a Guerra Fria pela ameaça do castigo que enfrentariam por sua agressividade, e que neste momento, Putin não está pagando nenhum preço por sua agressão.

Diplomatas irão se reunir para mais uma rodada de negociações na terça-feira, 10, em Berlim. Um encontro entre os líderes de França, Alemanha, Ucrânia e Rússia está marcado para quarta-feira, 11, em Minsk, na Bielorrússia.

 

Fontes:
New York Times-Crisis in Ukraine Underscores Opposing Lessons of Cold War

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *