Início » Vida » Ciência » Conjunto de fósseis com mais de 500 milhões de anos é descoberto na China
CIÊNCIA

Conjunto de fósseis com mais de 500 milhões de anos é descoberto na China

Fósseis datam do período da chamada 'explosão Cambriana', quando uma grande variedade de organismos surgiu repentinamente no cenário evolutivo

Conjunto de fósseis com mais de 500 milhões de anos é descoberto na China
Criaturas estão tão bem preservadas que os tecidos moles de seus corpos ainda são visíveis (Foto: Robert Gaines)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Um acúmulo de fósseis que captura a revolta da evolução que deu início à diversidade de vida na Terra, há mais de meio bilhão de anos, foi descoberto por pesquisadores na China. Paleontólogos encontraram milhares de fósseis em rochas na margem do rio Danshui, na província de Hubei, no sul da China, onde formas primitivas de águas-vivas, esponjas, algas, anêmonas, vermes e artrópodes com finas lâminas foram enterradas em um antigo deslizamento de água submarina.

As criaturas estão tão bem preservadas nos fósseis que os tecidos moles de seus corpos, incluindo os músculos, vísceras, olhos, guelras, bocas e outras aberturas ainda são visíveis. Os 4.351 fósseis separados escavados até agora representam 101 espécies, 53 delas novas. “É uma grande surpresa que uma proporção tão grande de espécies nesta assembléia fóssil seja nova na ciência”, disse Robert Gaines, geólogo da equipe do Pomona College em Claremont, Califórnia. O trabalho de campo foi liderado por Xingliang Zhang e Dongjing Fu, da Northwest University, em Xi’an, a 1,127 km a sudoeste de Pequim.

Os organismos fossilizados datam de 518 milhões de anos atrás, quando a vida na Terra experimentou uma enorme explosão de diversidade conhecida como explosão Cambriana. O evento, no alvorecer da vida animal, marcou a chegada de todos os tipos de criaturas incomuns. Muitos foram extintos, mas outros formaram os primeiros ramos robustos da árvore da vida.

Os cientistas ainda debatem o que motivou a explosão cambriana. Uma ideia é que a vida tropeçou nas ferramentas genéticas para construir corpos de animais, mas o início da predação, que desencadeou uma corrida armamentista evolucionária, mudanças nas placas tectônicas e uma onda de nutrientes nos oceanos, também podem ter desempenhado um papel.

Até agora, os fósseis mais impressionantes da explosão cambriana eram os encontrados no Burgess Shale, uma formação rochosa de 508 milhões de idade no Canadá, e na formação Chengjiang de 518 milhões de anos na China. Os novos fósseis, encontrados perto da junção dos rios Danshui e Qingjiang, na província de Hubei, na China, fornecem um instantâneo de um ecossistema radicalmente diferente de organismos que viveram na mesma época.

Durante a explosão cambriana, toda a vida animal existia no mar. Escrevendo na revista Science, os pesquisadores descrevem como os organismos de Qingjiang foram engolidos por um fluxo de lama submarino que os arrastou para águas mais profundas e frias. Lá, enterrado em sedimentos finos, o processo normal de decomposição foi interrompido, levando à sua excepcional preservação.

Martin Smith, um paleontólogo da Universidade de Durham que não esteve envolvido no trabalho, disse que o novo sítio de fósseis foi notável por capturar um momento profundamente importante na história da evolução em detalhes tão incríveis. “Sua qualidade de preservação é surpreendente”, disse ele. “Se você mandasse um viajante do tempo de volta ao período cambriano armado com uma câmera e uma máquina de raios X, as imagens com as quais eles voltariam não seriam nada comparadas a esses fósseis, que preservam detalhes mais finos do que um cabelo humano.

“Esses fósseis nos ajudam a juntar os passos que a evolução tomou enquanto os animais evoluíram de qualquer bolha mole que represente seu ancestral comum à rica diversidade de linhagens viva hoje”, acrescentou. “Como alguns dos organismos preservados são muito mais simples que seus parentes vivos, eles nos ajudam a separar como órgãos complexos como cérebros podem ser reunidos através de processos evolutivos cegos”.

Allison Daley, paleontóloga da Universidade de Lausanne, disse que duas espécies na área de fósseis se destacam para ela. O primeiro foi um kinorhynch, também conhecido como um dragão de lama. Hoje, essas criaturas semelhantes a vermes crescem a poucos milímetros e vivem em lama macia. Mas os dragões de lama fossilizados tinham até 4 cm de comprimento. “Eu não acho que alguém teria previsto que eles começaram como grandes animais”, disse ela.

Outra surpresa, disse Daley, foi o grande número de geleias de pente encontradas no local. Essas criaturas marinhas carnívoras são uma das mais primitivas da árvore da vida, e estudá-las poderia ajudar os cientistas a refazer alguns dos primeiros passos na evolução animal. Em um artigo que acompanha o estudo, ela chama os novos fósseis de “deslumbrantes”.

“Não é apenas a qualidade dos fósseis que é incrível, é a abundância”, disse Daley. “Em toda a minha carreira, nunca pensei que veria e testemunharia a descoberta de um sítio tão bom. Se você fosse fazer uma lista de desejos dos sonhos do que você gostaria de ver em um novo sítio de fósseis do Cambriano, seria isso. Este é apenas o primeiro do que será, sem dúvida, uma série de artigos de alto perfil, revelando todo tipo de respostas a mistérios sobre os animais cambrianos. ”

Fontes:
The Guardian-'Mindblowing' haul of fossils over 500m years old unearthed in China

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *