Início » Internacional » Crise do petróleo torna Maduro mais errático e despótico
Chavismo na Venezuela

Crise do petróleo torna Maduro mais errático e despótico

O combustível representa 95% da exportação no país, que vê sua qualidade de vida despencar e tem previsão de retração de 7% na economia

Crise do petróleo torna Maduro mais errático e despótico
Venezuelanos se amontoam em grandes filas para tentar obter uma cesta básica. Mercados estão sendo saqueado e as prateleiras estão vazias (Foto: Reprodução/New York Times)

A Venezuela vem sofrendo com a crise do petróleo que barateou o preço do barril. Desde que foi eleito em abril de 2013 por uma margem pequena de votos, o atual presidente e ex-motorista de ônibus Nicolás Maduro, pupilo de Hugo Chávez, tem se apoiado exageradamente no legado de seu antecessor, que ao contrário dele, foi um populista muito carismático e com afiados instintos políticos. Com pouco talento em  ambas as frentes, Maduro  tornou-se cada vez mais errático e despótico em busca de sobrevivência política, o que parece mais improvável a cada dia. A exportação de petróleo foi a base do chavismo, possibilitando que o ex-presidente criasse generosos programas de assistência social, que se tornam cada vez mais inúteis na gestão de seu sucessor.

A queda brusca no preço do petróleo, que compõe 95% das exportações da Venezuela, praticamente destruiu uma economia que tem sido administrada de forma inapta por anos. A inflação subiu a 64% no ano passado. Segundo a previsão do FMI, a economia venezuelana deve retrair 7% em 2015, o que poderia causar uma série de calotes em empréstimos por parte do governo, ou uma redução significativa no fornecimento do combustível fóssil subsidiado aos aliados do Caribe, incluindo Cuba.

Maduro não tem sido claro sobre que medidas econômicas dolorosas que seu governo precisará adotar para controlar a economia. Enquanto isso, ele prometeu ampliar os programas sociais e elevar salários. Ele e seus partidários insistem em não reconhecer a culpa pela crise, transferindo-a para os opositores e os acusando de permitir uma conspiração internacional.

O governo prendeu uma das principais figuras da oposição, Leopoldo López, sob acusação de ter incentivado os protestos violentos que tomara o país em fevereiro de 2014. Durante o julgamento, que ainda está em processo, a promotoria argumentou que López instigou o banho de sangue através de “mensagens subliminares”.

No mês passado, as autoridades venezuelanas prenderam outra líder da oposição, María Corina Machado, sob acusação de conspiração para assassinar Maduro, uma acusação sem fundamentos contra outra rival do governo.

A guerra contra a oposição parece estar sendo usada para mascarar a queda na qualidade de vida no país. Forças de segurança foram mobilizadas para manter a segurança nos supermercados, onde as pessoas se amontoam para entrar e furtar o que quer que tenha sobrado nas prateleiras.

Fontes:
New York Times-Mr. Maduro in His Labyrinth

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *