Início » Internacional » Cristina no mundo do faz-de-conta
Argentina

Cristina no mundo do faz-de-conta

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A Economist considera que a nova presidente, compartilhando da teimosia de seu marido, está conduzindo o país à insegurança econômica e aos conflitos sociais.

Sucedendo Néstor Kirchner, Cristina foi eleita prometendo manter o ótimo desempenho econômico argentino, aliviar as tensões na sociedade e reconstruir as relações externas do país. Mas cinco meses depois de assumir a Casa Rosada, a Argentina vive dias piores em se tratando destas três questões. A inflação, que oficialmente é de 9%, pode na verdade ser de até 25%, segundo cálculos não-oficiais. A taxa de pobreza, que era de 27% em 2006, está em 30%. O valor dos títulos argentinos despencou e os investidores mostram pouca confiança no novo governo.

Depois de subir os impostos sobre a exportação de produtos agrícolas, ela reagiu às greves e protestos dos produtores rurais de forma autoritária e insensata para uma chefe de Estado. Acusou-os de ganância e de objetivarem um golpe militar. Cristina já vem sendo comparada à presidente do Chile, Michelle Bachelet, que segundo a Economist também vem sendo infeliz no exercício do cargo. Um consultor político argentino ouvido pela revista diz que os Kirchner precisam entender que sua era de ouro acabou, e que o casal terá que se habituar com isto.

Fontes:
Economist - Cristina in the land of make-believe

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Prilidiano Pueyrredón disse:

    Evita, Isabelita, Cristinita: acho que meus conterrâneos gostam de mulheres fáceis e maridos complacentes…

  2. Dorival Silva disse:

    Essa foto da Economist mostra bem o que é esse governo argentino: um show de tango…

  3. E. Coelho disse:

    Complementando os comentários dos prezados Dorival e Prilidiano imagino o que pode acontecer aos EUA com a eventual eleição da candidata.
    No caso o fácil é dito cujo e ela é a complacente.
    Ainda, as mulheres não conseguiram mostrar que podem ser hábeis para governar um país, pelo menos na América Latina.

  4. Elcio Ungaretti disse:

    Como a Sra. Cristina veio na esteira política do marido, não significa que ela tivesse o mesmo tino político do Sr. Néstor, e já deu mostras de intolerância sem nenhum jogo de cintura, só estrelismo.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *